A morte do jovem rondonopolitano, Rafael Alexandre Português, 19 anos, continua sendo um mistério mesmo passados 16 dias do ocorrido em Cuiabá. No dia da morte, a suspeita era apenas do aluno soldado ter contraído dengue, porém evoluiu para o possível diagnóstico de H1N1.

Esta semana, com a forte suspeita de H1N1, os materiais e dois laudos foram encaminhados ao Instituto Adolfo Lutz em São Paulo. Os resultados devem retornar a capital em aproximadamente dez dias.

O CASO

Rafael passou em 5º lugar no concurso público estadual realizado no ano passado para o Corpo de Bombeiros e estaria na capital há cerca de três meses fazendo o curso quando contraiu a doença.

Leia também:  Operação Panóptico deve cumprir seis mandados de busca e apreensão em Rondonópolis

Segundo a assessoria, no dia 14 de janeiro o jovem deu entrada em uma policlínica com suspeita de virose e foi liberado logo depois. Há quatro dias ele teve uma piora e deu entrada em um hospital privado próximo ao local onde ele estava alojado e na noite de ontem (20), ele foi transferido para o Pronto Socorro Municipal em estado grave e veio a óbito no dia 20.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.