Rotativo RondonO estacionamento rotativo completa três meses de funcionamento e já sofreu alterações, inclusive no software para implantar os 20 minutos de tolerância para o usuário que garantir uma vaga por meio do cartão, smartphone ou web site.  Solucionada e esclarecida a questão, aos poucos, a população de Rondonópolis se adapta à nova realidade que trouxe facilidade na hora de encontrar uma vaga para estacionar no centro da cidade.

Hoje o sistema passa por um novo questionamento por parte de alguns usuários, que acreditam que os monitores, ou ‘verdinhos’ como são conhecidos, têm poder de multar o cidadão.

“Nossa empresa participou de um processo licitatório e é administradora de um serviço na cidade: a organização das vagas na área central. Nossos monitores estão à disposição para orientar os usuários, vender tickets avulsos, cartões de estacionamento e ensinar a usar os parquímetros. Não temos o poder de multar ninguém, até porque não somos policiais, nem agentes de trânsito. Esta confusão precisa ser esclarecida”, pondera Bruna Catharina Sorrentino Pinto, diretora de gestão do Rotativo Rondon.

Leia também:  Santa Casa de Rondonópolis volta a atender depois de 13 dias em greve

A preocupação da direção da empresa é com os 80 monitores que trabalham nas ruas centrais, porque muitos já foram ameaçados e até agredidos por usuários que não entenderam o sistema. “Nos últimos dias notamos que a população em geral está mais adaptada ao Rotativo e a grande maioria é favorável à organização das vagas. Mas enfrentamos também a ação de poucos desavisados, que, inclusive, ameaçam nossos trabalhadores. Isso tem criado um clima tenso para esses colaboradores, que passam horas no centro cuidando para o bom funcionamento do sistema”, lamenta Bruna Catharina.

A questão foi parar nas redes sociais e a polêmica deixou alguns usuários com receio de usar a área do Rotativo. “A população pode ficar tranquila porque o nosso papel é, exclusivamente, administrar as vagas para organizar a cidade. Não temos poder de polícia, não multamos, não averiguamos documentação e, muito menos guinchamos qualquer veículo, não é nosso papel”, diz Bruna.

Leia também:  Inscrições abertas para Seminário de Saúde e Segurança no Trabalho em Rondonópolis

Outro problema alheio à vontade ou poder de solução imediata da empresa, é em relação ao sinal de internet em algumas regiões. “Às vezes o estacionamento legal fica lento tanto no parquímetro quanto pelo smartphone. O problema maior do sistema hoje é o serviço da operadora de celular contratada, que é inferior ao que adquirimos para o bom funcionamento. Assim, tem usuário que acaba culpando o monitor pela falha que não é nossa, mas reflete diretamente no serviço. Estamos buscando solução junto à empresa contratada e enquanto isso instalando outras operadoras em locais estratégicos para oferecer o serviço de qualidade a que nos propusemos”.

Bruna lembra que o usuário que estacionar irregular na área do rotativo pode receber é um aviso dessa irregularidade, que deverá ser acertada com o próprio monitor ou na sede da empresa, na Rua Pedro Ferrer, 359 no centro. Se ele fizer esse acerto dentro do prazo de cinco dias, a irregularidade será quitada e não será encaminhada à Secretaria de Transporte e Trânsito e, assim, não será gerada multa por estacionar irregularmente.

Leia também:  Receita Municipal informa que ITR deve ser declarado a partir do dia 14

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.