A Organização das Nações Unidas (ONU) marca este 1º de março como o Dia da Discriminação Zero. É a chance de celebrar a diversidade e rejeitar qualquer tipo de preconceito, conforme informou o secretário-geral Ban Ki-moon.

Ele afirmou que a “discriminação é uma violação dos direitos humanos e não pode seguir impune”. Para Ki-moon, todos têm o direito de viver com respeito e dignidade.

Diretor executivo do Programa Conjunto sobre HIV/Aids (Unaids), que lidera a campanha Zero Discriminação, Michel Sidibé afirmou que “o compromisso de tornar o mundo livre de estigma e discriminação não é uma opção, mas um dever”. Sidibé disse que a discriminação provoca preconceito, limita as chances de milhões de pessoas e pode causar abusos e violência.

Leia também:  Festival musical é alvo de ataque e deixa mais de 200 feridos e 50 mortos nos EUA

Para combater o problema, o chefe da Unaids declarou que é “necessário denunciar quando alguma coisa está errada, sensibilizar a população, apoiar as pessoas discriminadas e promover os benefícios da diversidade”.

De acordo com a coordenadora da organização Criola, Lúcia Xavier, sob o ponto de vista da questão racial e de outras dimensões da vida humana, “atuar contra a discriminação não é só agir em termos individuais contra processos discriminatórios, mas fortalecer os mecanismos para que a sociedade seja mais democrática, que cumpra com os direitos humanos, que tenha serviços mais adequados e com qualidade de vida”, disse.

Para Lúcia, dias como este são importantes para que o assunto seja discutido. “Não é só a discriminação em si. Ela produz mortes. Além disso, damos visibilidade à produção e ao patrimônio de diversos grupos, como a população negra, LGBT e povos indígenas”, explicou Lúcia.

Leia também:  Grupo armado invade canal de televisão e deixa mortos e feridos no Afeganistão

Segundo a Unaids, quase 80 países têm leis criminalizando relações entre pessoas do mesmo sexo. Em muitas nações, o índice de alfabetização entre as mulheres é muito menor que entre os homens.

Para a agência da ONU, no Brasil, os descendentes africanos têm mais chances de desemprego que os brancos. Os salários dos negros representam menos da metade que os dos brancos. Nos Estados Unidos, 64% dos trabalhadores disseram ter visto uma situação de discriminação pela idade ou foram vítimas do mesmo tipo de discriminação. No Reino Unido, aproximadamente 70% dos trabalhadores que ganham apenas um salário mínimo são mulheres.

Segundo a Unaids, no mundo, mais de 10% das mulheres e 23% dos homens que sofrem de algum tipo de deficiência não buscam assistência de saúde, porque foram maltratados na primeira visita ao médico.

Leia também:  Criança de 3 anos foi a única sobrevivente em queda de avião na Rússia
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.