Roni Magnani em reuniãoProposta pelos vereadores Roni Magnani (PP) e Cláudio da Farmácia (PMDB) a audiência pública montada na quadra da Escola Municipal Firmício Alves Barreto, na noite de ontem (13), na Vila Olinda, reuniu mais de 100 moradores de toda região para tratar junto aos representantes da Câmara Municipal, Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis – Sanear e da Secretaria de Habitação do Município sobre temas como a liberação para uso da rede de esgoto implantada na localidade e regularização fundiária de lotes. No debate, moradores receberam a informação que só faltam 400 metros de serviço para que a extensão da rede que sai da Cidade Salmen chegue até a Estação de Tratamento de Esgoto – ETE e seja então possível liberar o uso.

A dificuldade, no entanto, exposta pelo diretor de manutenção e serviços do Sanear, Cristóvão Teixeira, foram grandes rochas encontradas no solo que fica ao fundo da empresa ADM, que dificultam a finalização do serviço. “A vantagem desta região é que não precisa de elevatórias. Devido a gravidade apenas com um coletor tronco nós conseguiremos coletar e levar até a ETE. Ocorre que de 4.300 metros de rede que estamos executando nesta gestão para finalizar o serviço faltam apenas 400 metros em um trecho extremamente rochoso que nos deparamos. Estamos insistindo, avançando pouco a pouco e sem querer precisar uma data, creio que nos próximos meses, talvez ainda no primeiro semestre, seja possível finalizar”, expôs.

Leia também:  Vereadores denunciam compra e armazenamento ilegal de merenda escolar

Além de Vila Olinda I e II, boa parte do Parque Universitário e outras regiões já estão todas com rede formada. Para as que ainda não foram contempladas, como é o caso do Pedra 90, a prefeitura conseguiu um empréstimo junto a Caixa Econômica Federal – CEF para implantar novas redes.

“O Programa de Aceleração do Crescimento – PAC I financiou as obras de esgoto feitas em nossa cidade nos últimos anos, isto seguiu no PAC II, em várias etapas, e agora em uma quarta seleção do PAC II o Município conseguiu aprovar um projeto de R$ 14 milhões, no qual contempla vários bairros que ficaram fora dos primeiros investimentos. Estamos acompanhando esta situação e ficamos felizes com o desfecho, porque sabemos do sofrimento que vivem estas famílias, quando muitas já não têm nem mais onde abrir fossa em seus quintais”, avaliou o vereador Roni, propositor da audiência.

Leia também:  Parlamentares debatem situação do esgoto em Rondonópolis

Quanto a regularização fundiária, o secretário de habitação e urbanismo do Município, Roberto Carlos de Carvalho, esclareceu aos moradores que ainda não têm a sua escritura que estes devem procurar a prefeitura para iniciar novamente um processo de legalização já feito na Vila Olinda, no passado, mas que deve ser reanalisado agora em virtude da não finalização dele no passado.

“Na Vila Olinda e em toda esta região já foi feito um processo de regularização, ocorre que as pessoas não deram seguimento nisso. Eles receberam o título definitivo, em um processo feito pelo Município e Intermat (Instituto de Terras de Mato Grosso), mas deveriam, em um prazo estipulado na época, ir até o cartório registrar isto e oficializar sua escritura, mas isto não foi feito. Passado um tempo, agora este título tem de ser revalidado, mas temos de fazer todo processo novamente, de análise do comprovante de residência, inspeção social e tudo mais”, explicou. Apoiado pelos outros vereadores presentes, Cláudio da Farmácia solicitou formalmente do secretário um mutirão na região para atender de uma vez só todos os moradores.

Leia também:  Delação de Silval envolve Maggi, Wellington e Bezerra

Sobre o sucesso da audiência, o vereador Roni fez questão de ressaltar a importância da participação popular. “Quando propomos uma audiência como esta não é por mero capricho nosso. Isto aqui é registrado e apresentado para a Caixa, para o prefeito, governador, no Intermat e onde for que seja que iremos requisitar o que o povo demandar aqui. Desta maneira, os moradores da Vila Olinda, Paineiras, Oasis, Pedra 90, Parque Universitário e de outras localidades vizinhas foram fundamentais para dar mais força em nossas cobranças pelas melhorias para a região quando comparecem em peso”, finalizou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.