Pedreiros, serventes e trabalhadores responsáveis pelas obras dos residenciais João Moraes e Dona Neuma fecharam a rua com palates, tambores, colchões e carrinhos de mão - Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT
Pedreiros, serventes e trabalhadores fecharam a avenida com palates, tambores, colchões e carrinhos de mão – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Aos gritos de “Queremos receber”, funcionários contratados pela empresa Engecenter Construtora e Incorporadora, reivindicavam o pagamento de dois meses de salários atrasados na manhã desta segunda-feira (23), na avenida Cortono Sul, na Vila Rica, em Rondonópolis.

Residencial João Moraes - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Residencial João Moraes – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Pedreiros, serventes e trabalhadores responsáveis pelas obras dos residenciais João Moraes e Dona Neuma fecharam a via com palates, tambores, colchões e carrinhos de mão.

De acordo com a servente e representante dos trabalhadores, Elis Meire, são cerca de 120 funcionários que estão sem receber. Sendo alguns de outros estados como Maranhão, Rio Grande do Norte, São Paulo, Alagoas, Piauí, Ceará, entre outros.

“Estamos reivindicando apenas nossos direitos, nós estamos com nossas contas vencidas. O pessoal que veio de fora e está no alojamento, está sem energia e água, a qualquer momento podem ficar sem comida,” disse a servente.

Leia também:  População deve se reunir novamente em manifestação de 'luto' pelo fechamento da UTI Pediátrica
A servente e representante dos trabalhadores - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
A servente e representante dos trabalhadores – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

A representante ainda disse que o dono da construtora disse que está vendendo terrenos para poder pagar os trabalhadores, em outro momento, disse que a Caixa Econômica Federal (CEF) não repassou o dinheiro para poder realizar o pagamento.

Quanto a manifestação, os trabalhadores disseram que é feita de maneira pacífica e que a intenção é fechar a empresa para que não tenham acesso. “A ideia é não deixar ninguém entrar na empresa, agora não levam mais nada, com certeza estão querendo abrir falência e levar as coisas deles,” disse o pedreiro Marcos Miguel Jesus.

“Há uma outra empresa que é consociada [do setor de Engenharia e Arquitetura] que está usando o escritório e nosso almoxarifado, vamos fechar para não trabalhar,” relatou a servente Elis Meire.

Leia também:  Carga de algodão pega fogo e assusta motorista de carreta em Rondonópolis
Cerca de 120 funcionários estão sem receber  - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Cerca de 120 funcionários estão sem receber – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Os trabalhadores ainda relataram que procuraram o Sindicato de Construção Civil em Rondonópolis, mas foram orientados a esperar pelo 3º mês de atraso do pagamento para entrar com uma ação contra a empresa.

Outro lado

A nossa equipe de reportagem entrou em contato com o telefone do dono da empresa e pelo telefone comercial da Engecenter Construtora e Incorporadora, mas não fomos atendidos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.