Após algum tempo sumido por conta da polêmica de seu caso de doping, Anderson Silva voltou a aparecer. O lutador, que foi flagrado em exames pré e pós-luta com Nick Diaz no UFC 183, comandou um seminário de artes marciais ao lado do mestre Ricardo de la Riva, na quinta-feira, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e se mostrou atencioso e descontraído com os alunos inscritos. O ex-campeão do peso-médio do Ultimate mostrou golpes que utilizou para vencer alguns de seus combates, tirou fotos com o público e respondeu perguntas dos fãs presentes.

Durante as aulas para mostrar movimentos que utilizou e fizeram sucesso, foram escolhidos a cotovelada em Tony Fryklund, o mata-leão em Dan Henderson, o triângulo na primeira luta contra Chael Sonnen e o chute frontal em Vitor Belfort. Quando o vídeo do nocaute sobre o Fenômeno foi exibido nos telões, as pessoas aplaudiram o Spider, que explicou como acertar o golpe.

– O boxe dele é muito melhor do que o meu. Seria muito difícil acertar ele com qualquer golpe, porque ele é muito mais rápido que eu. Ele é o mais rápido da categoria, na minha opinião – afirmou Anderson.

Outro momento engraçado do evento foi quando Anderson Silva foi assinar a camisa do Flamengo de Leonardo Chatahmansour, de apenas 12 anos, que disparou que seu ídolo na verdade seria rubro-negro, mas a resposta foi imediata.

Leia também:  Atleta da Seleção brasileira de Hóquei é assassinado com tiro na nuca em SP

– Jamais. Sou Corinthians até morrer! – decretou.

Quando as perguntas foram abertas para os alunos, o nível dos questionamentos surpreendeu positivamente. Logo na primeira questão, o assunto do doping foi abordado, e Anderson Silva declarou que seus suplementos foram enviados para saber o que realmente acontece. De acordo com ele, seu retorno ao octógono será em 2016 e sua intenção é atuar por mais cinco anos, além de não descartar a possibilidade de um combate contra Jon Jones.

confira as melhores declarações do spider

CASO DE DOPING

Volto a lutar ano que vem. Ainda não sabemos o que vai acontecer comigo, enviamos para a análise todos os suplementos, todas as coisas que usei, para o laboratório ver realmente o que aconteceu, porque nem eu sei. Foi uma surpresa até para mim. Mas acho que ano que vem eu volto, o que seria o normal, já que eu não lutaria esse ano de novo de qualquer forma

LUTA POR CINTURÃO NOVAMENTE

Estou mais para vovô, né? Primeiramente tenho que conquistar meu espaço de novo. As pessoas que estão credenciadas para disputar trabalharam bastante para chegar na boca do gol e tenho que reconquistar isso. Vai ser passo a passo de novo, do zero. Não sei se tenho tempo para isso, mas se houver a oportunidade de me credenciar de novo, é possível.

Leia também:  Brasil começa a Copa enfrentando Suíça, Costa Rica e Sérvia

SUPERLUTA COM JON JONES

Não gosta de mim mesmo, né? Podia ser contra a Formiga Atômica, ia ser melhor. Talvez, pode ser que aconteça (a luta com Jon Jones). Tem várias possibilidades, pode acontecer com o Georges St-Pierre ou até outro atleta, porque superluta é enfrentar um cara de categoria diferente, dois caras de nome, pode ser que aconteça. Tenho ainda bastante tempo para dar tristeza e alegria para vocês.

CONTRATO LONGO COM O UFC

Foi uma proposta do Dana e do Lorenzo, a única lesão mais grave que tive foi a da perna, nunca tive nenhum problema, treino todo dia. Sentamos com toda a minha equipe de treino, todos conversamos e estamos fazendo um treino voltado para que eu possa lutar mais cinco anos. Durante esse tempo, temos todo o cronograma de treinos para cinco anos. Pode ser que a gente faça um pouco mais de uma luta por ano, talvez duas, mas depende das próximas lutas. Quanto a fazer uma luta de boxe, ficarei devendo. É meu sonho fazer a luta com o Roy Jones, ele se pronunciou dizendo que queria, o Don King queria promover, mas com meu contrato com o UFC não tem como acontecer agora. Tenho mais cinco ou seis lutas no contrato ainda.

Leia também:  José Aldo terá a revanche pelo cinturão contra o atual campeão Max Holloway

PROVOCAÇÕES DE SONNEN E MCGREGOR

Tudo é válido, desde que você respeite os seus limites. É muito bacana promover eventos, todo mundo gosta do cara marrento, mas não pode passar. Tem uma linha tênue que, quando você passa do ponto, nosso esporte é de contato total. Não pode passar muito essa linha. Pode promover, tirar sarro, fazer piadinha, mas sem passar muito dos limites. Sonnen acabou passando um pouco dos limites, desrespeitou nossa nação, me desrespeitou pessoalmente, o que não é legal para o esporte. Temos grande público feminino, crianças, pessoas mais velhas… é importante que a gente saiba até onde podemos ir para promover. Se a gente não promover da maneira correta, você não vai ter uma imagem em vista, não vai ser vendável, ninguém vai querer se associar a um cara que fala mal do país do outro, da mulher do outro. Tem que promover da maneira certa, com respeito.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.