As brincadeiras excessivas de outras temporadas do TUF Brasil não se repetirão na quarta edição, que terá Maurício Shogun e Rodrigo Minotauro como treinadores. Ambos deixaram claro que, desta vez, a conduta dos lutadores será mais voltada para as artes marciais e citaram como exemplo o TUF Brasil 2, que teve Fabricio Werdum e o próprio Minotauro como técnicos, e chegou a ser criticado por Anderson Silva pelo comportamento dos atletas, que abusaram das armadilhas entre os dois times.

– Esse TUF foi muito bom do meu ponto de vista, ainda mais por ser gravado em Las Vegas, que é a capital da luta e eles puderam estar perto do Dana White. Isso motivou muito os atletas. Fiquei muito feliz com o comportamento dos atletas na casa. Desde que dividimos os times, dei muita ênfase no meu time a manter o respeito, pois estávamos lá com o propósito de lutar. Esse foi meu foco, e o do Rodrigo também. Acho que vocês vão ver um pouco de diferença porque não teve tanta brincadeira quanto nos outros, foi mais focado nas artes marciais e nas lutas mesmo. A gente deu muita ênfase também no lado psicológico dos atletas, tentamos evitar brincadeirinhas que desgastam o dia a dia e nosso ambiente. Quisemos mostrar ao pessoal da casa que nosso trabalho é duro – explicou Shogun, durante a coletiva de imprensa sobre a quarta temporada do programa.

Leia também:  Ronaldo é ovacionado pela torcida do Real ao participar de jogo de lendas

Minotauro ainda revelou que, ao chegar na casa, conversou com Maurício Shogun sobre a conduta que seguiriam com os lutadores e combinaram que a proposta seria a de priorizar os valores das artes marciais no programa. De acordo com ele, isso se refletiu no nível das lutas do programa.

– No dia que cheguei na casa, Shogun e eu conversamos, e o Shogun falou que essa foi a linha que ele passou para os lutadores, de manter a conduta da arte marcial. No fundo eles estão ali por um grande motivo: serem contratados pelo UFC. Mantivemos o time bem focado. Teve brincadeiras, mas muito menos que aquelas que vocês viram no TUF com o Werdum, que é um cara brincalhão e incentivou essas brincadeiras. Eles estavam focados no dia da luta. Teremos lutas melhores no nível técnico, é a temporada com as melhores lutas e revelações. Teremos menos brincadeiras e mais foco na conduta e nas lutas.

Leia também:  Luverdense perde do Inter com gol polêmico no final

Treinador assistente no Time Nogueira, Rogério Minotouro acrescentou que brincadeiras aconteceram, mas a linha dura fui a tônica dos treinos na academia. Para ele, como desde o início já se sabia que não haveria duelo entre os treinadores, já que inicialmente os técnicos eram Shogun e Anderson Silva, o foco do TUF Brasil 4 foi voltado para a descoberta de talentos.

– Como o Shogun falou, a gente vem numa proposta de cobrir o treinador Anderson Silva, que saiu do TUF. Como ele não foi avisado antes que iria enfrentar o Anderson, foi um TUF que o sentido foi mesmo a descoberta do campeão. Vai ter muita rivalidade na casa, os atletas vão disputar cada posição, nocaute, finalização, vocês verão isso no show. Tivemos atletas que se destacaram nas brincadeiras, sempre na casa tem um mais descontraído. Somente na casa eles brincaram bastante, mas na academia a linha era mais dura, focada na luta. Tentamos conscientizar os atletas da importância de ter o contrato, serem campeões, tentamos trabalhar muito nessa linha. Mas tivemos situações engraçadas – concluiu.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.