Prevenir o câncer de colo de útero entre meninas de 9 a 13 anos. Esta é a meta da Secretaria de Saúde de Rondonópolis que já disponibilizou a vacina contra HPV em todas as unidades da rede básica do município. São necessárias três doses para imunizar as adolescentes contra o papilomavirus humano 6, 11, 16 e 18. A primeira dose deve ser tomada neste mês, a segunda em setembro e a terceira somente em março de 2020.

Noeny Pereira – enfermeira responsável pela imunização – lembra que em 2014 foram vacinadas meninas de 11 a 13 anos. O Ministério da Saúde decidiu ampliar o benefício este ano ao público a partir de 9 anos e também às mulheres de 9 a 26 anos que vivem com o vírus HIV. Essa população foi incorporada como prioritária, devido às complicações do HPV ocorrerem com mais frequência em pacientes portadores de HIV e Aids.

Leia também:  Juiz Pós-doutor de Rondonópolis publica Livro de Direito Ambiental

A enfermeira aconselha pais e responsáveis a acompanharem as garotas durante a vacinação nas unidades de PSFs, postos e centros de saúde da cidade. “Com a vacina, as meninas ficam protegidas contra o câncer de colo de útero. É interessante que os pais acompanhem as garotas para serem imunizadas. A dose está disponível em todas as unidades de saúde do município”, conta.

A meta da equipe responsável é vacinar 8.076 meninas de 9 a 13 anos nesta primeira etapa. São 1.529 com 9 anos; 1.569 de 10 anos; e 1.614 de 11 anos; além 1.660 com 12 anos e outras 1.704 com 13 anos. Noeny Pereira explica que a dose contra HPV faz parte do calendário básico de vacinação das adolescentes.

Leia também:  Governo emite nota sobre repasses a Santa Casa

Mobilização 

A equipe do Departamento de Vigilância Epidemiológica definiu o sábado, 14 de março, como Dia de Mobilização pela Vacinação contra HPV. Nesta data, todas as unidades de saúde vão funcionar das 7 às 11 horas e das 13 às 17 horas, para atender a demanda de garotas interessadas em receber a dose de imunização.

Noeny Pereira antecipa que depois da ação do Dia de Mobilização, o serviço de vacinação deve percorrer as escolas da cidade, em busca das meninas que deixaram de comparecer às unidades de saúde. Neste caso, as garotas precisam de autorização dos pais para serem imunizadas.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.