condenado EvanderlyQuase dois anos após o crime, o enfermeiro Evanderly de Oliveira Lima, 45 anos, foi condenado, em sessão iniciada nesta terça-feira (28) no Fórum de Alto Araguaia, a 18 anos e seis meses de prisão pela morte da ex-mulher e juíza da comarca de Alto Taquari, Glauciane Chaves de Melo.

O crime ocorreu no dia 07 de junho de 2013, na ocasião, Evanderly entrou na sala de audiência do Fórum, em Alto Taquari, para conversar com a magistrada. Ao tentar uma reconciliação com ela, os dois começaram a discutir, sendo que o enfermeiro sacou a arma e atirou contra a magistrada acertando dois tiros na região da nuca.

O julgamento durou cerca de 16h30, sendo encerrado por volta das 00h43 desta quarta-feira (29). A sentença foi proferida pelo juiz Carlos Ferrari, onde segundo ele, a pena deve ser cumprida, inicialmente, em regime fechado. O réu foi condenado por homicídio duplamente qualificado e porte ilegal de arma, tese defendida pelo Ministério Público Estadual.

Leia também:  Após denuncia, Polícia Ambiental confirma desmatamento ilegal em fazenda no MT

O júri popular foi composto por sete pessoas, sendo quatro mulheres e três homens, que votaram e decidiram pela condenação de Evanderly.

Durante a sessão realizada no plenário foram ouvidas sete testemunhas, sendo uma dispensada pelo advogado de defesa, Dr. Edno Damasceno. Segundo o defensor, ele entendia que o réu deveria ser absolvido, mas caso os jurados decidissem por condená-lo que entendessem que Evanderly agiu sob o domínio de violenta emoção.

Após proferir a sentença, o juiz Carlos Ferrari contou a reportagem do AGORA MT, que o crime atingiu a Justiça e a República Federativa do Brasil, que foram ofendidas quanto ao delito.” Mas o que mais marcou o crime, foi que o fato foi cometido contra uma mulher e que isso é o que marcou o julgamento porque era uma mulher no exercício da sua profissão,” destacou o juiz.

Leia também:  Após roubar pizzaria, ladrões se envolvem em acidente e fogem a pé

Ao final da sessão, o advogado de defesa Edno Damasceno destacou que não irá recorrer da decisão. “Sou um defensor do júri e por isso acho justa a decisão proferida, não vou recorrer da decisão, mas vai discutir com Evanderly um recurso para a redução da pena a ser cumprida”, diz.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.