Em pronunciamento, nesta terça-feira (14), o senador José Medeiros (PPS-MT), ao lembrar a passagem do Dia Mundial da Conscientização do Autismo, celebrado no último dia 2 de abril, cobrou do governo federal mais atenção às políticas públicas em benefício dos autistas.

“Organizações de defesa das pessoas com autismo lembram-nos de que a rede pública de saúde não está ainda capacitada para o diagnóstico precoce do autismo e de que faltam profissionais preparados para acompanhar os estudantes com autismo na rede pública de educação”, afirmou.

Segundo o senador, o autismo vem sendo diagnosticado com frequência crescente e informou que as pesquisas apontam cerca de 70 milhões de autistas no mundo, sendo 2 milhões só no Brasil. Ele acrescentou que um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos apontou que os casos aumentaram 60% nos últimos anos naquele país.

Leia também:  Prefeitos discutem alternativa para solucionar o caos na saúde

José Medeiros explicou que o autismo é uma síndrome complexa, que prejudica a comunicação, a interação social e o comportamento da pessoa. “O transtorno do espectro do autismo é uma síndrome de origem desconhecida e muito complexa, caracterizada por uma alteração na forma como as células nervosas se conectam e se organizam, o que afeta o processamento das informações no cérebro”, destacou.

O senador informou ao Plenário que a Câmara dos Deputados está analisando duas propostas de emenda à Constituição que podem beneficiar os autistas. Um das propostas garante acesso à educação especializada e a outra assegura renda mínima para a pessoa com autismo. O senador ainda elogiou uma lei do Distrito Federal que proíbe cobrança de valores extras em escolas que recebem autistas ou crianças com síndrome de Down.

Leia também:  Vereador apresenta projeto Cidadão da Paz

“Heróis” – Ao final do discurso, José Medeiros imprimiu apoio “incondicional” às pessoas com autismo. “Nossos parabéns aos heróis, muitas vezes anônimos, que lutam bravamente para que se rompa o cordão de isolamento e de desinformação a que os autistas foram historicamente confinados”, afirmou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.