A confirmação de que Anderson Silva vai disputar uma vaga nas Olimpíadas de 2016 para defender o Brasil no taekwondo é tratada com cautela pelo médico Eduardo De Rose, integrante da Agência Mundial Antidoping (Wada). O ex-campeão do UFC será julgado no próximo mês por uso de esteroides e poderá ser suspenso por até dois anos pela Comissão Atlética de Nevada. A entidade, no entanto, não é filiada à Wada, como ressalta De Rose.

– A comissão de Nevada não tem relação com a Wada. Não sei responder sobre isso. É um caso muito peculiar. Não há uma regra específica. A Wada vai se pronunciar no momento oportuno – disse o médico.

Leia também:  Atletas de Rondonópolis se destacam em competição nacional

Quando um atleta olímpico é suspenso em uma modalidade, ele também é banido de outros esportes filiados à Agência Mundial Antidoping. Não é o caso de Anderson Silva.

– Ele não é um atleta olímpico. Vai depender se a Wada entender que a punição também valeria para o esporte olímpico. Esse assunto é mais para advogado do que para médico – disse De Rose, que no próximo mês participa de uma reunião da entidade, em Montreal, no Canadá, quando acredita que terá uma posição mais clara da entidade sobre o assunto.

Procurado pelo GloboEsporte.com, o secretário da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), Marco Aurélio Klein, disse que não vai comentar sobre o assunto.

Leia também:  União precisa vencer para ficar com título do sub-19

– A ABCD não vai comentar sobre o assunto. Tem que ver o desdobramento do caso, que está pendente com a jurisdição de Nevada – disse Klein.

Considerado um dos maiores lutadores da história do MMA, Anderson iniciou sua trajetória nas artes marciais no taekwondo e não por acaso tem em seu currículo grandes golpes provenientes da luta. Ele pesa 84 quilos e teria como principal concorrente na categoria +80kg o atleta Lucas de Oliveira. Para os Jogos de 2016, a seleção tem quatro vagas garantidas (duas no masculino e duas no feminino) por ser sede do evento, e outras quatro podem ser conquistadas pela posição dos brasileiros no ranking. Na semana passada, a Confederação Brasileira anunciou que, após uma reunião com o Comitê Rio 2016, ficou decidido que a primeira categoria de peso contemplada seria justamente o peso-pesado masculino. As seletivas internas, que definirão os nomes em cada categoria, serão no início do ano que vem.

Leia também:  Cuiabá Arsenal encara último rival da 1ª fase do brasileiro
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.