O secretário acredita que o sistema de reeducação implantado é satisfatório - Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT
O secretário acredita que o sistema de reeducação implantado é satisfatório – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

O secretário de Justiça e Direitos Humanos de Mato Grosso, Márcio Frederico de Oliveira Dorilêo, realizou uma visita nas unidades do Sistema Penitenciário e do Sistema Socioeducativo em Rondonópolis na manhã desta quinta-feira (09).

O roteiro começou com visita a Penitenciária Major Eldo Sá Corrêa, mais conhecida como “Mata Grande”. De

Secretário visitando a enfermaria do presídio - Foto: Ronaldo Teixeira - AGORA MT
Secretário visitando a enfermaria do presídio – Foto: Ronaldo Teixeira – AGORA MT

acordo com o secretário os resultados alcançados junto aos penitenciários são satisfatórios. “A estrutura não corresponde com tudo que gostaríamos de ter, porém, estamos vendo iniciativas no trabalho com a educação e ressocialização dos presos. Experiências produtivas com as políticas públicas implantadas dentro do presidio” pontua Dorilêo.

"A Mata Grande evoluiu bastante no que diz respeito a reeducação" diz juíza - Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT
“A Mata Grande evoluiu bastante no que diz respeito a reeducação” diz juíza – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

A juíza da 4ª Vara de Execuções Penas, Tatyana Lopes de Araújo Borges também demonstra satisfação quanto a reeducação na Mata Grande. “Entre os mais de 700 presos, 320 estão estudando, alguns foram aprovados no Enem e irão fazer faculdade. Podemos dizer que 60% dos presos estão trabalhando. Estou satisfeita com o trabalho de reeducação da Mata Grande” diz a juíza.

Leia também:  Suspeito é denunciado por agressão a mulher e é preso por contrabando

Um exemplo a ser citado é do reeducando Sandrinalvo

O reeducando busca pela educação - Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT
O reeducando busca pela educação – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

Santana Soares Mota, 26 anos, ele está preso há 4 anos por participar de um assalto e atualmente conquistou espaço no presidio. Sandrinalvo buscou experiências produtivas e trabalha na área de educação como auxiliar administrativo. “Quando cheguei aqui, vi que a minha realidade era outra. Não consegui conviver com os outros presos, estava difícil. Então resolvi estudar e buscar outros caminhos aqui dentro” desabafa Sandrinalvo que hoje cursa faculdade de Zootecnia.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.