Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Passiflora é um gênero botânico de cerca de 500 espécies de plantas, pertencente à família Passifloraceae. São, em sua maioria, trepadeiras, mas também há arbustos e poucas espécies são herbáceas. A passiflora é mais conhecida por seu fruto, o maracujá.

O Brasil possui um grande número de espécie de Passiflora, mas apesar de abrigar quase um terço das espécies, somente duas delas são exploradas comercialmente. São elas: P. edulis (maracujá roxo) e sua forma amarela P.edulis Sims f. flavicarpa Deg. (maracujá amarelo) e o P. alata (maracujá doce). Cerca de 90% da produção do Brasil, refere-se ao maracujá amarelo. Sendo que a espécie mais utilizada em medicamentos fitoterápicos é a passiflora alata (maracujá doce) e a passiflora incarnata (flor-da-paixão).

Nutrientes da passiflora
A passiflora possui boas quantidades de flavonoides. Eles apresentam vários efeitos biológicos e farmacológicos, incluindo atividade antibacteriana, antiviral, anti-inflamatória, antialérgica e vasodilatadora.

Além disso, estas substâncias inibem a peroxidação lípidica e reduzem o risco de doenças cardiovasculares, efeitos estes relacionados à sua atividade antioxidante, caracterizada pela capacidade de sequestrar radicais livres em organismos vivos.

Leia também:  A obesidade que você não vê no espelho

Os alcaloides também estão presentes na passiflora, são beta-carbolinas, derivados da serotonina e do triptofano, normalmente presentes no organismo. Eles são inibidores da enzima monoaminoxidase (MAO), e apresentam ação agonista com os receptores GABA e benzodiazepínicos. São utilizados como tranquilizantes e até mesmo no auxílio ao tratamento da hipertensão.

A passiflora também conta com saparinas. Trata-se de uma substância que tem ação no sistema nervoso central, auxiliando os neurotransmissores e proporcionando sensação de relaxamento, por exemplo. A planta ainda conta com compostos fenóis e cianogênicos glicosil.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Benefícios em estudo
Ação calmante: A passiflora estimula a liberação de hormônios que levam ao relaxamento e sensação de bem-estar. Por isso, a planta é benéfica em casos de insônia.

Previne a depressão: A passiflora ajuda a evitar a depressão devido à sensação de bem-estar que ela proporciona. Seus componentes químicos primários, calcalóides e flavonoides agem de forma relaxante e antidepressiva no organismo.

Melhora a concentração: Ao proporcionar maior sensação de bem-estar e relaxamento, a pessoa consegue alcançar maior estado de concentração.

Leia também:  Saúde | Os traumas de infância interferem no adulto que você é hoje

Boa contra infecções: A passiflora possui ação antibactericida, por isso ela é uma aliada.

Boa contra a doença de Parkinson: Acredita-se que a presença dos alcaloides harmina e harmalina, possam ser eficazes contra o Mal de Parkinson, porém ainda não há detalhamento dos mecanismos.

Controla a pressão arterial: As harmalas, substâncias presentes na passiflora inibem o consumo excessivo e desnecessário de oxigênio pelo cérebro. Acredita-se que estes compostos também são responsáveis por diminuir os níveis de circulação e respiração, reduzindo a pressão arterial.

Quantidade recomendada
A quantidade que pode ser ingerida depende de cada caso e deve ser prescrita por um nutricionista ou um nutrólogo.

Como consumir
As partes usadas para consumo da Passiflora são suas flores, folhas e caules. Elas são utilizadas para a elaboração de chás, tinturas e cápsulas.

O chá de passiflora pode ser feito da seguinte maneira: coloque 2 colheres de chá de Passiflora seca em uma xícara de água fervente e deixe repousar durante 10 minutos. Depois coe e beba até 3 vezes por dia.

Leia também:  Dicas para compor o lanche escolar das crianças
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Cuidados ao consumir
Ao ingerir a passiflora não exceda a quantidade prescrita, para não alcançar efeitos indesejáveis. Ela também não deve ser usada durante a gravidez, pois possui substâncias em seu extrato que causam aumento da contração uterina. Crianças, pacientes com histórico de hipersensibilidade e alergia a algum componente da planta e mulheres em fase de amamentação só devem fazer uso da passiflora após a recomendação médica. Ela não é recomendada para pacientes que fazem uso de outros medicamentos com efeito sedativo, hipnótico ou anti-histamínico. A passiflora é recomendada para pessoas com um nível maior de estresse, insônia e ansiedade.

Riscos do consumo em excesso
Quando consumida em excesso a passiflora pode potencializar os efeitos sedativos, aumentando o tempo de sono. Em alguns casos, também pode aumentar a ação anticoagulante, causada pelas cumarinas presentes na espécie vegetal. Além disso, podem ocorrer náuseas, vômitos, cefaleia e taquicardia.

Combinação
Combinar a passiflora com a camomila é uma opção para potencializar ainda mais seu efeitos calmante.

Advertisements
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPassadinha rápida
Próximo artigoFilho da mãe! | Agora Terapia

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.