Com a bagagem de quem tem no currículo dois títulos mundiais na Fórmula 1, ambos conquistados quando defendia a McLaren, Mika Hakkinen analisou o atual momento da equipe e de Fernando Alonso. Com a escuderia britânica na vice-lanterna do Mundial de Construtores e o espanhol tendo um 11º lugar como melhor colocação nas quatro provas disputadas até o momento, o finlandês acredita que a paciência será a chave para que ambos consigam superar este momento delicado na competição.

Em visita à redação do jornal espanhol “AS”, Hakkinen afirmou que o jejum de Alonso o faz procurar excessivamente por respostas, tornando-o negativista.

– Fernando é fantástico, um piloto muito grande, que sempre leva o carro ao limite, mas às vezes é negativo. E nada em sua carreira é negativo. É um piloto incrível, muito bom. Fora da pista está preocupado demais com o que acontece com o carro, de dizer se o carro é bom ou ruim. Isso acontece quando se passa muitos anos sem ganhar. É preciso ser paciente. Quando se chega a um projeto novo não é fácil. E voltar a ganhar pode ser coisa de um ano, dois… Na realidade, não me atrevo a dizer quanto tempo.

Leia também:  Times de Mato Grosso vão mal na rodada de final de semana

Sobre a mudança de Alonso da Ferrari para a McLaren, Hakkinen afirmou que o projeto precisa ser avaliado a longo prazo. Na última semana, o chefão Ron Dennis expôs à imprensa que o contrato do espanhol com a escuderia é válido até o final de 2017, compreendendo ao todo três temporadas completas.

– Ainda é cedo para saber (se foi boa). É como quando se sai na rua e começa a chover. Teria sido melhor ter levado um guarda-chuva, mas neste momento já não serve de nada, tem que ir adiante, trabalhar para melhorar o carro. É compreensível que agora os fãs digam que foi um erro, mas devem julgar a longo prazo. Fernando ajudou a Ferrari a estar onde está agora porque trabalhou muito bem e muito duro com eles, mas não é justo fazer esse tipo de comentário se ele se equivocou ou não. Não sei se cometeu um erro. Agora deve tentar encontrar soluções na McLaren, trabalhar conjuntamente com os mecânicos, engenheiros, com todos para chegar onde querem chegar. Honda oferece muita confiança, é uma grande fábrica. Chegar onde querem chegar requer tempo. A grande pergunta é quanto tempo. Agora como não se pode testar, é mais difícil fazer o carro evoluir. Tudo isso pode ser muito frustrante para todos, ao menos até que o consigam.

Leia também:  Federação realiza arbitral após desistências em série

A próxima oportunidade de Alonso e da McLaren saírem do zero na tabela será o GP da Espanha, no circuito da Catalunha, em Barcelona, neste fim de semana. Apesar da má fase, o espanhol está feliz por correr em casa, graças ao apoio de seus “fãs leais”. A prova que abre a fase europeia da temporada terá transmissão ao vivo da TV Globo, neste domingo, com largada marcada para as 9h (de Brasília).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.