Foto: assessoria
Foto: assessoria

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, garantiu, esta quarta-feira (06/05), que o campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em Rondonópolis estará entre as instituições que futuramente serão emancipadas pelo governo federal.

Em reunião com a bancada de Mato Grosso e representantes da educação do estado, Ribeiro afirmou que o pleito atende às “condições técnicas” para a emancipação e que encaminhará a demanda para a presidente Dilma Rousseff (PT), que tem atribuição de fazer o decreto que garante a autonomia das instituições.

Ele lembrou ainda que há parecer do Ministério da Educação (MEC) a favor da emancipação. “A política do ministério é a de expansão com critérios. Convém à universidade ter autonomia, de modo que possa atender a população da região. O pleito está redondo e é extremamente justo”.

Leia também:  Câmara concede Moção de Aplauso à Escola Carlos Pereira Barbosa

O deputado Adilton Sachetti (PSB-MT) classificou a emancipação como “muito positiva” para Rondonópolis. “Atualmente, tudo é centralizado em Cuiabá, o que gera burocracia. A emancipação garante que o trabalho seja focado em Rondonópolis. As pessoas, os professores são dali. A visão passa a ser diferenciada”, destacou Sachetti.

reuniao em Brasilia
Foto: assessoria

A criação de uma universidade federal em Rondonópolis é um pleito antigo dos educadores da região, pois garante autonomia financeira e administrativa ao campus. Hoje, sua direção é vinculada à da UFMT, em Cuiabá. A nova instituição deverá se chamar Universidade Federal do Cerrado (UFCer).

O pró-reitor do campus da UFMT, Javert Melo Vieira, explicou que a instituição tem, hoje, cerca de 5 mil alunos de graduação e 80 de pós-graduação, além de 82 técnicos e mais de 300 professores. “Além da autonomia financeira, a emancipação possibilitará a criação de novos cursos e a abertura de novas vagas para alunos”, assinalou Vieira.

Leia também:  PP de Blairo pode receber grupo do PSB

A reitora da UFMT, Maria Lúcia Cavalli, afirmou que o campus de Rondonópolis está “amadurecido” o suficiente para ter autonomia. “Esta não é uma luta só de Rondonópolis, mas de todo o povo de Mato Grosso”, pontuou a reitora. “O campus está maduro e em franca produção de pesquisa”.

Estiveram presentes na reunião o governador Pedro Taques (PDT), os senadores Blairo Maggi (PR-MT), Wellington Fagundes (PR-MT) e José Medeiros (PPS-MT) e os deputados Nilson Leitão (PSDB-MT), Ezequiel Fonseca (PP-MT), Fabio Garcia (PSB-MT) e Carlos Bezerra (PMDB-MT), a ex-deputada estadual Teté Bezerra (PMDB-MT) e os vereadores de Rondonópolis Thiago Silva (PMDB), Claudio da Fármacia (PMDB) e Reginaldo Santos (PPS).

 

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.