Foto: Getty Images / Gustavo Arrais
Foto: Getty Images / Gustavo Arrais

É só encarar um sanduíche saboroso e já ficamos com água na boca. Contudo, em nome da sua visão, resista e não ponha os olhos no cardápio de uma lanchonete. Deixe-os fixos nesta página com a seguinte notícia: sim, uma cintura avantajada pode favorecer o aparecimento de problemas oftalmológicos. Um exemplo recente disso vem da Universidade de Colônia, na Alemanha, onde 1 147 vítimas da degeneração macular relacionada à idade (DMRI) foram comparadas a 1 773 pessoas livres dela. Após observar dados sobre a forma física dos voluntários, os pesquisadores revelaram que os obesos têm um risco 44% maior de sofrer com essa doença. “Mostramos que existem hábitos além do tabagismo capazes de estimular o desenvolvimento da DMRI”, diz o oftalmologista Sascha Fauser, autor do artigo.

O que é a degeneração macular relacionada à idade?

Resposta sem pestanejar: trata-se de uma degradação da mácula, a porção central da retina, que se traduz em uma mancha no meio do campo de visão. Agora, difícil é escrever uma frase que explique por que uma barriga saltada abre as portas para essa chateação, a principal causa de cegueira em sujeitos acima dos 50 anos. “A obesidade comumente provoca alterações no metabolismo que podem danificar vasos sanguíneos, entre eles os que nutrem a mácula”, arrisca Rubens Belfort Neto, oftalmologista da Universidade Federal de sçao Paulo (Unifesp). A endocrinologista Cíntia Cercato, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (abeso), levanta outra hipótese: “O excesso de peso está associado a uma maior concentração dos chamados produtos de glicação avançada. E essas moléculas disparam reações que afetariam a retina”.

Leia também:  Acupressão, a acupuntura com os dedos, é ótima para as gestantes

Um perigo para os diabéticos

Tem mais. Os tais produtos de glicação avançada atingem níveis estratosféricos em gente com diabete descompensado, uma pane ligada aos pneus de sobra. Ou seja, obesidade gera diabete, que geraria DMRI. Aliás, o excesso de açúcar na circulação desencadearia outros males oftalmológicos. “Sabemos, entre outras coisas, que os diabéticos têm maior probabilidade de serem diagnosticados com catarata”, aponta Tiago Prata, oftalmologista da Unifesp e diretor clínico do Hospital Medicina dos Olhos, na Grande São Paulo. Isso porque doses elevadas de glicose deixam o cristalino, a lente natural dos olhos, opaca – aí a visão embaça.

O ronco na mira

Outra enfermidade deflagrada pelos acúmulos gordurosos é a apneia do sono, que promove barulhentas interrupções na respiração durante as horas dormidas. E, que fique claro, não estamos mudando completamente de assunto, “Hoje em dia, esse distúrbio é considerado um fator de risco para o glaucoma, uma lesão no nervo óptico que começa comprometendo a visão periférica”, contextualiza Prata. De novo, não se sabe ao certo o motivo por trás, embora há quem acredite que a menor presença de oxigênio no sangue típica da apneia repercuta nos globos oculares. Diante disso tudo, melhor por os olhos em opções menos engordativas do que num X-tudo.

Leia também:  Jack Johnson fará dois shows no Brasil em novembro

Quando problemas de visão nos fazem engordar

Os sintomas de glaucoma, catarata e afins dificultam a prática esportiva – enxergar uma bola, os adversários e os companheiros faz parte da dinâmica de várias modalidades. Como resultado, seus portadores não raro caem no sedentarismo, um patrocinador de abdomens inflados. Para contornar esse cenário, o ideal é tratar direitinho seu quadro e, se for o caso, buscar exercícios que dependam menos de uma visão aguçada.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.