Depois de ficar estável ontem (3), o nível do Sistema Cantareira caiu nesta segunda-feira (4) de 19,8% para 19,7%. Tradicionalmente, chove pouco em maio, assim, a precipitação nos seis reservatórios ficou em 0,1 milímetro (mm). A média histórica prevista para todo o mês é 78,2 mm.

Pelo novo sistema de monitoramento da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que considera a utilização da reserva técnica (água que fica abaixo das comportas), o nível do Cantareira ficou estável em 15,3%, mantendo-se 9,5% abaixo do volume útil (água que fica acima das comportas).

De acordo com os dados da Sabesp, seria necessária a captação de 93,7 bilhões de litros para atingir a superfície do volume útil. A disponibilidade hoje de água armazenada é 193,8 bilhões de litros. Neste mesmo dia no ano passado, o Sistema operava com 10,1% de sua capacidade.

Leia também:  De 38 mil pessoas que foram assassinadas no RJ desde de 2002 apenas 10% dos casos têm autor identificado

O uso da reserva técnica começou em 16 de maio do ano passado, quando o nível tinha baixado para 8,2%. Seis meses depois, em novembro de 2014, foi necessário recorrer à segunda cota da reserva técnica, com a reposição obtida apenas em fevereiro deste ano.

Com o agravamento da crise hídrica, a Sabesp reduziu, gradativamente, o número de consumidores abastecidos, que chegou a atingir 9 milhões e, atualmente, está em 5,4 milhões.

Mais três dos cinco mananciais de abastecimento administrados pela Sabesp registraram queda: o Sistema Guarapiranga caiu de 81,5% para 81,4%; o Alto Cotia, de 65,5% para 65,3% e o Rio Grande, de 95,3% para 95,1%. Ficaram estáveis os níveis do Alto Tietê que opera com 22,4% e o Sistema Rio Claro, com 50,7%.

Leia também:  Ladrões abatem bovinos ao invadirem sítio e fogem com a carne
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.