A deterioração do mercado de trabalho em decorrência do desaquecimento do nível de atividade pode ter efeitos mais expressivos na diminuição da renda que na quantidade de empregos, segundo a Carta de Conjuntura do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

“Os ganhos reais obtidos pelos trabalhadores nos últimos anos podem dar margem à aplicação de reajustes nominais menores em 2015, o que, aliado à aceleração da inflação, deverá acarretar um recuo mais acentuado dos salários reais, que passariam a ser o principal fator de ajuste no mercado de trabalho”, diz o relatório.

Apesar da retração dos salários em termos reais, ainda não houve, de acordo com o Ipea, uma diminuição no custo unitário do trabalho, que permanece avançando acima dos ganhos de produtividade.

Leia também:  Direção de penitenciária libera Suzane Richtofen para fazer faculdade

“No caso da indústria de transformação, verifica-se, com base nos dados da Pimes e da PIM-PF, que o descompasso entre o custo unitário e a produtividade vem aumentando na margem, refletindo a forte retração da produção industrial, que apresenta recuo da ordem de 6% nos primeiros meses de 2015, superando a redução do emprego no setor”.

No tocante aos outros setores da economia, os ganhos de produtividade seguem em um ritmo menor que o avanço dos rendimentos reais. “Por certo este descolamento entre a produtividade e os salários pode ser considerado como um dos fatores de pressão sobre os índices de preços ao consumidor”, diz o texto do Ipea.

Pesquisas de emprego

Leia também:  Parentes de detentos são presos tentando entrar em cadeia com cenoura recheada de drogas

O documento compara ainda as duas pesquisas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que medem os níveis de desemprego no País, a PME (Pesquisa Mensal do Emprego) e a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). O Ipea destaca que, apesar de ambas revelarem tendências parecidas, apresentam motivos distintos para a elevação do desemprego do País.

Segundo a PME, o nível de desocupação nas seis regiões metropolitanas pesquisadas estava em 6,1% em abril. Já de acordo com os números da Pnad Contínua, que tem uma área de abrangência maior considerando também o interior do Brasil, o desemprego encerrou o trimestre até abril em 8%.

Uma das possíveis explicações, diz o Ipea, se deve ao fato de as regiões acompanhadas pela PME terem economias mais dinâmicas e, portanto, registraram menores taxas de desemprego. “Entretanto, já há evidências empíricas que rejeitam tal argumento e listam outros fatores explicativos como: diferenças entre os domicílios pesquisados; frequência do domicílio na amostra; questionários e técnicas de aplicação distintas etc”, pondera o relatório.

Leia também:  Inep divulga gabarito oficial do Enem 2017
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.