O técnico José Roberto Guimarães apresentou nesta quinta-feira (18) a seleção brasileira de vôlei feminino que vai iniciar o Grand Prix de 2015 – estreia contra o Japão no dia 3 de julho, na Tailândia. No entanto, isso não dirimiu o mistério que se instalou no grupo desde que a comissão técnica resolveu convocar mais de 30 atletas para essa temporada: afinal, quais delas vão representar o país nos Jogos Pan-Americanos de Toronto?

A dúvida deve-se a uma questão de calendário. Como o Grand Prix e o Pan têm partidas em datas concomitantes, a comissão técnica resolveu fazer uma convocação larga e dividir forças – o Brasil não vai priorizar nenhum dos torneios. Zé Roberto já definiu as listas, mas evita falar sobre elas. Até mesmo para as atletas.

“Está tudo claro há um mês, mas eu prefiro segurar até para não acontecer o que aconteceu com a Natália: ontem [quarta-feira], no treino da noite, ela sentiu quando faltavam cinco minutos para acabar. Teve uma contratura, foi para a ressonância magnética hoje [quinta-feira] às 14h, e graças a Deus não tem absolutamente nada, mas é sempre preocupante. É melhor esperar até o último momento”, explicou o treinador. “Quatro ou cinco jogadoras sabem o que vai acontecer, até por serem questões mais naturais. Mas eu não falei nem para elas”, completou Zé Roberto. O técnico teve de enviar uma pré-lista larga, com 65 nomes, para a organização dos Jogos Pan-Americanos, mas não tem data limite para definir o grupo que vai a Toronto.

Leia também:  1º Campeonato de Futebol Amador é suspenso temporariamente

Quem vai disputar a primeira fase do Grand Prix

As levantadoras Dani Lins e Macris; as opostos Joyce e Monique; as centrais Adenízia, Juciely, Carol e Bárbara; as ponteiras Gabi, Fe Garay, Suelle e Mari Paraíba e as líberos Camila Brait e Léia devem disputar a primeira fase do Grand Prix. Todas elas participaram da vitória por 3 sets a 2 sobre o Japão em amistoso disputado nesta quinta-feira (18), num Maracanãzinho quase vazio (menos de 50 pessoas acompanharam a partida nas arquibancadas).

A dúvida no grupo que iniciará o Grand Prix é Natália. A ponteira do Rexona/Ades está nos planos da comissão técnica para o início do Grand Prix, mas depende da situação física – se estivesse em condições, ela teria sido titular no amistoso contra o Japão.

Quem vai disputar a segunda fase do Grand Prix

A comissão técnica já revelou duas trocas que pretende fazer entre a primeira e a segunda fase do Grand Prix. A levantadora Macris será reserva de Dani Lins na etapa inicial, mas dará lugar a Ana Tiemi posteriormente. A ponteira Jaqueline, que tem status de titular, também deve ser incorporada ao elenco.

A única questão sobre Jaqueline é física. “A Jaque teve uma fortíssima gripe e teve de voltar para São Paulo. Ela passou pelo hospital na terça-feira e teve de ser reavaliada. Ela estava com um problema sério de pulmão – nada muito grave, mas inspirava cuidados. Ficou a semana inteira em São Paulo, sendo observada, e deve voltar aos treinamentos na próxima semana. Está bem, se recuperou, mas ficou debilitada”, contou Zé Roberto.

Leia também:  Academia e União vão disputar o Estadual Sub-17

Na primeira fase do Grand Prix, o Brasil enfrentará Japão (03/07), Sérvia (04/07) e Tailândia (05/07) na Tailândia. Na segunda, receberá Bélgica (10/07), Tailândia (11/07) e Alemanha (12/07) em São Paulo.

Quem não estará em nenhuma das listas

Entre as jogadoras que são consideradas titulares da seleção brasileira, três não disputarão Grand Prix ou Pan. As centrais Fabiana e Thaísa e a oposto Sheilla foram preservadas por questões físicas.

Thaísa passou por intervenção cirúrgica nos dois joelhos no dia 16 de junho para corrigir lesões nos tendões patelares. A expectativa é que ela retome os treinos em quatro meses. Fabiana e Sheilla receberam aval para apresentação apenas no fim de julho, depois do término do Grand Prix e do Pan.

Fabiana, contudo, não aceitou a liberação. A capitã da seleção se apresentou voluntariamente no dia 1º de junho e tem treinado em Saquarema, a despeito de não estar nos planos da comissão técnica para as duas competições com início próximo.

Leia também:  Luverdense perde do Inter com gol polêmico no final

Sheilla também tem treinado, mas em uma academia. A oposto tem mandado vídeos e notícias constantemente para a comissão técnica. “Neste ano nós estamos visando muito a parte física do time. Minha maior preocupação é o lastro físico que as jogadoras vão ter, e isso precisa continuar no clube. Vamos ter pouco tempo depois para os Jogos Olímpicos. Então, ter as jogadoras, fazer as avaliações que estamos fazendo, trabalhar individualmente com a Fabiana… são cuidados porque o tempo vai ser curto para os Jogos Olímpicos”, disse Zé Roberto.

Quem pode estar no Pan ou nas últimas fases do Grand Prix

No total, a comissão técnica convocou 33 jogadoras para esta temporada (sem contar Fabiana, que se apresentou voluntariamente). Da lista, nomes como Thaísa (lesionada) e as levantadora Fabíola (pediu dispensa) e Juma (vai para o Mundial sub-23) foram descartados. As restantes serão divididas entre as competições.

“Nós pensamos na divisão delas individualmente. Quem precisa jogar mais, quem precisa jogar menos, quem tem de cuidar da parte física, quem tem de ter mais ritmo de jogo e quem tem de ter mais experiência com partidas difíceis, por exemplo. Pensamos caso a caso e não foi uma divisão”, completou Zé Roberto.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.