Em pronunciamento, nesta sexta-feira (26), o senador José Medeiros (PPS-MT) destacou a importância das escolas técnicas para o Brasil e apostou no incentivo ao ensino técnico para o país “avançar e sair do lodaçal”, em meio a cenário de crise, com inflação acumulada de 8,47% nos últimos 12 meses; desemprego na faixa de 7,9% entre janeiro e março de 2015 e expectativa de recuo de dois pontos percentuais no Produto Interno Bruto (PIB) até o final do ano.

“Apesar do desemprego, existe demanda no mercado de trabalho por profissionais capacitados. Em 2014, pesquisa realizada pelo Ibope apontou que 70% dos ex-alunos de cursos técnicos encontram emprego no primeiro ano após o fim do curso. Além disso, a qualificação técnica rende remuneração melhor. A média salarial dos técnicos recém-formados ultrapassa R$ 2 mil”, afirmou o senador.

Leia também:  Vereador Thiago Silva participa da 3 ª Feciti e defende criação de Parque Tecnológico

Para José Medeiros, as escolas técnicas podem ajudar o país a superar a crise. “E qual é a relação entre crise econômica e escolas técnicas, então? A resposta é bastante simples: as escolas técnicas podem ajudar o País a sair dessa situação desfavorável. Superar a crise passa por fazer o Brasil crescer. E um dos fatores determinantes para o crescimento brasileiro é o aumento da produtividade em nossa economia”, enfatizou,

Mato Grosso – A preocupação com o tema levou o parlamentar a se encontrar com o presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Antonio Idilvan de Lima Alencar, para negociar a prorrogação de convênio da ordem de R$ 70 milhões para a construção de oito escolas técnicas em Mato Grosso. Estas unidades deverão oferecer, entre outros, cursos de informática, enfermagem, hotelaria, edificações, segurança do trabalho, culinária e agronegócio. A expectativa é de formação de até 10 mil alunos por ano.

Leia também:  Vereadores vão tentar alternativas com diretoria do Sanear

“Pesquisa realizada este ano em 42 países mostra que o Brasil aparece como o quarto pior lugar para se contratar mão de obra qualificada. No início de 2014, havia mais de 36 mil vagas de emprego abertas em Mato Grosso, não preenchidas pela falta de candidatos qualificados”, exemplificou o mato-grossense.

Em aparte, o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) concordou que o ensino técnico é a saída para impulsionar o desenvolvimento econômico. A senadora Ana Amélia (PP-RS) lamentou, por sua vez, a queda na qualificação do trabalhador brasileiro e defendeu maiores investimentos na educação. Ambos destacaram a atuação do senador José Medeiros no Senado Federal.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.