hospital osvaldo cruz guiratinga pronto atendimento

Os funcionários do Hospital Osvaldo Cruz, em Guiratinga (106 Km de Rondonópolis), já estão há quase 20 dias com os braços cruzados e esta é considerada a maior paralisação da história da cidade. O motivo da greve é o atraso nos salários, que já vai acumular o segundo mês.

Esta é a 3ª vez em um ano, que o Pronto Atendimento (PA) cessa suas atividades. A paralisação foi definida no dia 10 deste mês.

O Executivo até o momento ainda não fez o repasse de R$ 300 mil a direção do hospital e consequentemente os salários dos colaboradores não foram pagos.

De acordo com o funcionário Carlos Vilela, até não houve nenhum avanço. “Até o momento não foram feitos os repasses e por isso continuamos com as atividades reduzidas. O prefeito também não chamou ninguém para conversar. Está tudo parado”, lamentou o servidor.

Apesar disso, alguns atendimentos de urgência e emergência serão mantidos, bem como 30% dos funcionários que estarão trabalhando normalmente.

A dona de casa Maria de Lurdes Gomes está preocupada com a demora na resolução deste problema. Ela disse que a situação está se tornando caótica. “O Posto de Saúde da Família (PSF), só atende na parte da manhã e os atendimentos são limitados. Eu preciso fazer uma lavagem no ouvido e só faz no PA”, lamenta a moradora.

OUTRO LADO

A reportagem do Site AGORA MT, entrou em contato com o Executivo, para saber se há previsão de transferência do repasse, e consequentemente restabelecer o funcionamento da unidade de saúde, mas até o momento ninguém se pronunciou sobre o assunto.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.