A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) intensificou as ações de prevenção de queimadas nos municípios mato-grossenses. Dados de monitoramento via satélite de referência do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam um aumento de 11,74% no registro de focos de calor no período de 1º de janeiro a 22 de junho deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. O número de focos de calor passou de 4.215 no ano passado para 4.710 este ano. É importante ressaltar, no entanto, que não há uma relação direta entre queimadas e foco de calor.

No dia 30 de junho, o Comitê do Fogo vai realizar uma audiência pública em Feliz Natal, município que está em segundo lugar no ranking de maior número de focos. A proposta é orientar a população e os produtores rurais sobre os riscos do manejo inadequado do fogo, principalmente no período proibitivo, que vai de 15 de julho a 15 de setembro.

“Nós vamos conversar com os moradores sobre as penalidades para quem comete crimes ambientais. Também mostrar que é possível utilizar outros métodos de manejo do solo sem usar o fogo, já que ele é extremamente prejudicial ao meio ambiente e, especialmente, à saúde das pessoas que residem na região”, explicou o secretário-executivo do Comitê do Fogo, tenente coronel do Corpo de Bombeiros Hector Péricles.

Leia também:  Mais de 4 mil pessoas já foram atendidas no projeto Sábado Social

Conforme o superintendente de Geoinformação e Monitoramento Ambiental da Sema, Gabriel Vitoreli, que subsidia as ações do Comitê do Fogo junto aos municípios, dados do satélite de referência do Inpe mostram que desde 2010 há uma variação ascendente nas ocorrências de focos de calor em todo Estado. Nos anos de 2013 e 2012, por exemplo, foram registrados 3.068 e 3.153 focos, respectivamente, valores 53,52% e 49,38% menor que este mesmo período (janeiro a junho de 2015). Mas o percentual mais significativo ocorre em relação a 2011, quando foram registrados 2.035 focos de calor, ou seja, 131% a menos que este ano.

Ranking dos municípios com mais focos de calor em 2015 - Foto: Assessoria
Ranking dos municípios com mais focos de calor em 2015 – Foto: Assessoria

“Nós temos satélites que captam a informação do foco, depois cruzamos essas informações com o nosso banco de dados para verificar se têm cadastro ambiental rural, se é unidade de conservação, terra indígena ou assentamento rural. Depois, passamos para o Comitê do Fogo e para a área de fiscalização para tomar providências”, frisou Vitoreli.

Leia também:  Inscrições para o 'Encontro de Bibliotecas de MT' vão até dia 25 de novembro

O ranking dos 20 municípios onde mais são registrados focos de calor é praticamente o mesmo nesses cinco anos, com algumas variações de um ano para o outro. Entre os que despertam a preocupação este ano estão: Nova Maringá, Feliz Natal, Querência, Nova Ubiratã, Sapezal, Gaúcha do Norte, Paranatinga, Brasnorte, Santa Carmem, Nova Mutum, São Félix do Araguaia, Sorriso, Tapurah, São José do Rio Claro, Marcelândia, Porto dos Gaúchos, Tangará da Serra, Ribeirão Cascalheira, Vera e Tabaporã. O bioma mais atingido é a Amazônia, onde se concentram 2.767 focos de calor, ou 61,1% em relação ao total, seguido pelo Cerrado, com 1.645 focos ou 36,34%.

Queimadas x foco de calor

A relação entre queimada e foco de calor não é direta. Pode haver uma grande área de queimada com vários focos de calor ou pequenas áreas de queimada identificadas como um foco apenas. Conforme Gabriel Vitoreli, essas distorções acontecem em razão do sistema que detecta os focos, cuja resolução não é precisa. “Portanto não há relação direta entre número de foco e área queimada. Nós trabalhamos apenas com indicativos neste momento”.

Leia também:  Seplan divulga boletim sobre cenário econômico de Mato Grosso

Foco de calor é uma expressão utilizada para interpretar o registro de calor captado na superfície do solo pelos satélites. Qualquer temperatura registrada acima de 47°C é considerada, o que não é necessariamente um foco de fogo ou incêndio. Já a queimada é uma antiga prática agropastoril ou florestal que utiliza o fogo de forma controlada para viabilizar a agricultura ou renovar pastagens, mas que deve ser autorizada pela Sema. Quanto aos incêndios florestais consistem no fogo sem controle que incide sobre a vegetação, provocado pelo homem (intencional ou de forma negligente) ou de causa natural.

Audiências públicas

Além de Feliz Natal, outros dois municípios também receberão audiências públicas do Comitê do Fogo, organizadas pela Sema: São Felix do Araguaia, no dia 7 de julho, e Juara, no dia 14 de julho. Ambas também estão no topo da lista no ranking de focos de calor ao longo dos últimos cinco anos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.