Noeny Pereira - Foto: assessoria
Noeny Pereira – Foto: assessoria

Pediatras e enfermeiros da rede pública municipal passarão nos próximos meses por diversas capacitações em Cuiabá, na capital do estado, a fim de se habilitarem para o atendimento especializado a crianças, nos primeiros anos de vida, que apresentem problemas congênitos cardíacos e pulmonares. A projeção, é que a partir do próximo ano as crianças de até dois anos de idade que precisam do atendimento e que atualmente têm de sair da cidade para isso poderão realizar o tratamento no Hospital da Criança Wilma Bohac.

A gerente do Setor de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Noeny Pereira , explicou, nesta sexta-feira (31), que o Município conseguiu a garantia do Ministério da Saúde de que receberá , a partir de 2016, o repasse de doses do Palivizumabe, que é um inibidor de um vírus responsável por 75% das bronquiolites e 40% das pneumonias durante o período de sazonalidade, entre o outono e inverno, quando as doenças se tornam mais agressivas. A pneumonia, sobretudo, tem uma taxa registrada de quatro milhões de casos todo ano em crianças no Brasil, sendo uma das principais causas de mortalidade infantil não só no país como no mundo.

Leia também:  Meia tonelada de alimentos são entregues para o Lar de Nazaré

“Esta medicação, que é de alto custo, passará agora a ser disponibilizada diretamente por nós em atendimento ambulatorial. Hoje, existe o palivizumabe em ambiente hospitalar, na Santa Casa e servem para atender recém-nascidos prematuros na Unidade de Terapia Intensiva – UTI. Já as crianças com problemas de nascimento de ordem cardíaca e respiratória, que também precisam do remédio, necessitam encarar rotineiramente uma viagem até Cuiabá. Mas a partir do ano que vem isto não será mais necessário, porque conseguimos esta vitória de descentralizar”, confirmou Noeny.

Noeny detalhou que as crianças precisam receber o medicamento, mensalmente, durante os períodos mais frios do ano, que também são os mais secos em Mato Grosso, para impedir que o Vírus Sincicial Respiratório
– VSR infecte estes pacientes, nascidos com baixa imunidade. “Teremos nossos profissionais treinados até a entrada do outono e inverno de 2016, que será quando a administração do medicamento será disponibilizada”, adiantou Noeny.

Leia também:  Tributo lembra 1 ano da morte do Padre João Paulo

No mercado privado, a dose única de Palivizumabe é negociada acima de R$ 5mil.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.