O judô brasileiro fechou os Jogos Pan-Americanos nesta terça-feira (14) com 13 medalhas. Em 14 categorias. O esporte que mais medalhas olímpicas deu ao Brasil fechou seu Pan com 92% de eficiência. Mesmo assim, nem todo mundo sorri pelos lados da Confederação Brasileira de Judô. O motivo? O choque entre a expectativa e a realidade.

Foram cinco medalhas de ouro (David Moura, Luciano Correa, Tiago Camilo, Charles Chibana e Érika Miranda), duas de prata (Mayra Aguiar e Felipe Kitadai) e seis de bronze (Maria Suelen Altheman, Maria Portela, Victor Penalber, Mariana Silva, Rafaela Silva e Nathália Brígida).

No Pan de Guadalajara, a modalidade já tinha feito as 13 medalhas em 14 chances. Mas saiu com seis medalhas de ouro e mais finalistas – foram três bronzes. Então, quando os cartolas começaram a planejar o Toronto-2015, a ideia era chegar aos 100%. E com um número maior de títulos.

Leia também:  Aberta as inscrições do Bolsa Atleta pelo Ministério do Esporte

“Quando traçamos metas, elas precisam ser ambiciosas. As nossa eram. Estamos há alguns anos com esse número de 13 medalhas nos Campeonatos Pan-Americanos e achamos que seria possível superar. Mas o que vimos foi uma evolução muito grande todos os países. O importante é olhar para nossos principais rivais, Cuba, e ver que a distância aumentou”, disse o diretor de alto rendimento da CBJ, Ney Wilson.

O único que não medalhou na equipe foi Alex Pombo, dos leves. Ele perdeu na decisão da medalha de bronze. E volta para casa com suspeita de lesão nos ligamentos do joelho – os médicos da delegação preveem cirurgia para o atleta, que deve perder o Mundial de Astana, no Cazaquistão, no fim do ano.

Não que as performances dos outros tenham sido ruins. Não foram. Quem conquistou medalhas de ouro o fez com propriedade. Érika Miranda é a dona de sua categoria. Charles Chibana já foi número 1 do ranking mundial. Tiago Camilo venceu um campeão mundial.

Leia também:  União e Luve decidem o Estadual Sub-19

Mas Victor Penalber? Ou Rafaela Silva? O primeiro foi número 1 do ranking. A segunda, campeã mundial. E mesmo assim saíram com o bronze. Nenhum estava exatamente decepcionado com a medalha. Jovens, eles sabem da importância de subir ao pódio em uma competição grande como o Pan. Mas era esperado mais.

“Até agora, a qualidade das medalhas não é o que a gente queria”, já admitia Luiz Shinohara, o técnico da seleção masculina de judô, ainda no segundo dia de competições. E naquele momento, ele tinha colocado dois atletas na final, com um ouro de Chibana e uma prata de Felipe Kitadai – e Pombo ainda não tinha perdido a medalha de bronze.

Existem justificativas para isso. Nos bastidores, fala-se em falta de sorte em um escorregão, pressão para que atletas da casa avançassem e lesões. São detalhes que, no ano que vem, quando o Brasil luta em casa no Rio 2016, devem acontecer a favor dos judocas verde-amarelos. Mas e a pressão? Teve atleta que, claramente, sentiu o peso da competição no Canadá. “Era isso que a gente queria. Observar os atletas nessa situação. Ver como podemos trabalhar. Era nosso último ensaio. Tínhamos duas psicólogas na equipe, analisando o comportamento dos atletas, para saber como trabalhar no ano que vem”, completa Ney Wilson.

Leia também:  Academia e União vão disputar o Estadual Sub-17

E, para responder a pergunta: ganhar 13 medalhas no judô é uma decepção? A resposta vem do presidente da Confederação, Paulo Wanderley: “Os atletas têm responsabilidade. Nós, na gestão temos responsabilidade. E da nossa parte não está faltando nada. Eles têm de contribuir com o resultado”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.