Horas antes de um homem abrir fogo em um cinema no Estado americano da Louisiana, matando duas pessoas e ferindo várias outras, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, admitiu à BBC que o fracasso na aprovação de uma legislação de controle de armas é a maior frustração dos seus dois mandatos.
Ele deu a entender que sofre com a ausência de “leis de bom senso sobre armas mesmo diante de repetidos assassinatos em massa”.

“Para nós, não termos resolvido essa questão é algo angustiante”, disse Obama, que vem tentando restringir o uso de armas no país desde o início de seu mandato.

Em junho, depois do assassinato de nove fiéis negros de uma igreja na Carolina do Sul, ele admitiu que a

“política nessa cidade (em referência às decisões tomadas no Congresso em Washington)” lhe deixava poucas opções para essa questão.

Leia também:  Maduro solicita ajuda do Papa para que ele impeça que os EUA invada a Venezuela

No episódio de quinta-feira, um homem branco de 58 anos abriu fogo dentro de um cinema de Lafayette cerca de 20 minutos após o início do filme às 19h30m locais (22h30m, de Brasília).

Ele se matou em seguida. O caso trouxe à tona recordações do assassinato de 27 pessoas em um cinema de Colorado, há três anos.

O autor do crime, James Holmes, aguarda a sentença e pode ser condenado à morte.

Armas X terrorismo

O presidente dos Estados Unidos, que iniciou o primeiro mandato em 2009, ainda tem 18 meses no poder, afirmou que vai continuar tentando mudar a legislação sobre armas, mas deixou clara a sua frustração.

“Se analisarmos o número de pessoas mortas desde o 11 de setembro, são menos de 100. Se olharmos o número de pessoas que morreram por violência de armas, são dezenas de milhares”, disse Obama.

Leia também:  Advogado esclarece caso em que mais de 500 crianças sofreram assédio e agressão em coral católico

Obama disse que o terrorismo matou cerca de 100 pessoas desde 2001, enquanto armas mataram dezenas de milhares

Na entrevista exclusiva à BBC, o presidente americano disse que as relações inter-raciais melhoraram durante a sua presidência.

Ele afirma que as crianças que crescerem durante os oito anos que terá passado no poder “terão uma visão diferente sobre as relações raciais e sobre o que é possível”.

“Algumas tensões vão surgir. Mas se olharmos para a geração das minhas filhas, existe uma atitude totalmente diferente do que a que a minha geração tinha no que toca à raça.”

Ele também disse estar confiante de que o acordo nuclear com o Irã – considerado uma vitória da administração Obama – será aprovado.

Leia também:  Cerca de 376 repórteres sofreram agressões em protestos da Venezuela

Ainda sobre política internacional, Obama disse que para derrotar o grupo extremista autodenominado ‘Estado Islâmico’, é preciso encontrar uma solução política para a Síria.

Ele também destacou a importância de a Grã-Bretanha permanecer na União Europeia, caso queira manter a sua influência internacional.

O governo conservador britânico prometeu realizar nos próximos anos um referendo sobre a saída do bloco europeu.

Obama ainda fez uma autocrítica, dizendo que “todo presidente, todo líder, tem pontos fortes e fracos”.

“Um dos meus pontos positivos é um temperamento bastante equilibrado. Não fico exaltado quando as coisas dão certo, nem deprimido quando dão errado.”

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.