Foto: assessoria
Foto: assessoria

O ministro da Secretaria de Portos da Presidência da República, Edinho Araújo, afirmou, esta quinta-feira (16/07), que colocará, entre suas prioridades, a realização de licitação para construção de um terminal de fertilizantes em Santarém, no Pará.

“Estou convencido que o arco norte é fundamental. Daremos toda atenção a esta licitação, que é uma prioridade”, disse o ministro, em reunião com o deputado Adilton Sachetti (PSB-MT) e com o senador Wellington Fagundes (PR-MT).

Segundo dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), apenas na área de influência da BR-163 em Mato Grosso, a demanda anual de fertilizantes é de 2,5 milhões de toneladas, abastecidas hoje pelos portos de Santos e Paranaguá.

“A ideia é que, com o terminal em Santarém, se reduza o custo do frete e do escoamento da produção, aumentando a competitividade do setor”, destacou Sachetti, que coordena a Comissão de Infraestrutura e
Logística da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Leia também:  Prefeitura e Unemat assinam convênio para o funcionamento da instituição em Rondonópolis

Levantamento do Movimento Pró-Logística de Mato Grosso aponta que, no ano passado, o frete de Sorriso (MT) para Santos (SP) custou US$ 126 por tonelada. Com o terminal de fertilizantes de Santarém, a
expectativa é que este valor caia 34%.

Em 2014, o custo total do produtor de Sorriso, na exportação para a China, chegou a US$ 171 por tonelada. Para um produtor de Illinois, nos Estados Unidos, o custo do frete para a China, no mesmo período,
foi de US$ 71 por tonelada.

Na reunião, o secretário executivo da Secretaria de Portos, Guilherme Penin, explicou que a licitação do terminal de fertilizantes de Santarém faz parte do primeiro bloco de arrendamentos, lançado pelo governo em 2013, que incluiu 20 terminais.

Leia também:  Projeto que libera recursos para a Exposul tem resistência na Câmara de Vereadores

O diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz, assinalou que a expectativa é que a licitação saia até setembro deste ano. “O ministro entendeu nossa demanda e ficou de encontrar uma solução
técnica para acelerar o processo e liberar o edital de licitação”, disse Vaz.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.