tatiana camilato morta durante aborto

A morte de Tatiana Camilato, de 31 anos, está sendo investigada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. De acordo com a família, ela teria saído de casa para fazer um aborto clandestino na quinta-feira (9). Levada para uma UPA no Engenho Novo por uma desconhecida após o procedimento, Tatiana não resistiu e morreu na sexta-feira (10).

“Ela contou [sobre o aborto] apenas para uma amiga e para a minha filha de 15 anos. Essa amiga ainda tentou tirar essa ideia da cabeça dela, mas a Tatiana disse: ‘Eu não tenho saída, preciso fazer isso, sou mãe solteira. Preciso tirar'”, conta Daniele Camilato, de 35 anos, irmã de Tatiana, que deixa três filhos, de 9, 12 e 13 anos. A 25ª DP (Engenho Novo) investiga o caso.

De acordo com Daniele, Tatiana saiu de casa com R$ 650 e um absorvente anti-hemorrágico para fazer um aborto no Jacarezinho na última quinta-feira (9). A família acredita que, durante o aborto, ela teria entrado em luta corporal.

Leia também:  Alunos da rede municipal recebem vacinas contra HPV e meningite em MS

“No IML e depois, no enterro, a gente via que ela estava arranhada, com um corte na testa. A funerária colou a boca dela para não vermos que ela estava com os dentes muito quebrados, alguns faltando inclusive”, relata Daniele, emocionada. A família agora espera os resultados do Instituto Médico Legal para ter mais detalhes sobre a morte de Tatiana.

Segundo a irmã, Tatiana estava com um novo trabalho em vista. “Ela estava para pegar um documento e virar segurança. Era o sonho dela”, diz Daniele.

Nome falso na UPA
Daniele não se conforma com a pessoa que teria levado Tatiana para a UPA. Segundo a irmã da vítima, uma mulher deu entrada na unidade com nome e telefone falsos. “Ela teria dito que viu Tatiana passando ali na região. É mentira, porque não ela não costumava andar por ali. Disse que minha irmã estava passando mal, foi ao banheiro e teve seguidas evacuações, passou muito mal”, conta Daniele.

Leia também:  Morre em hospital segurança que ateou fogo em crianças de creche em MG

Ao verificar a bolsa da irmã, que foi deixada na UPA por essa mulher, não viu a quantia destinada ao aborto e nem o celular de Tatiana. “Onde está essa mulher? Onde está o celular da minha irmã?”, questiona.

Caso em Campo Grande
No dia 26 de agosto, Jandira Magdalena dos Santos Cruz saiu de casa para fazer um aborto e não voltou mais. Maria Ângela Magdalena contou que a filha estava com cerca de 12 semanas de gestação e que teria decidido abortar por “desespero”. Ela tinha 27 anos e estava grávida de quatro meses.

“A gente é muito unida. Eu sabia [que ela estava grávida] e queria muito. Doze ou treze semanas. Ela estava muito preocupada, no desespero mesmo. Tanto que ela confiou na primeira pessoa que apareceu”, disse a mãe logo após a sumiço da jovem. Ainda segundo Ângela, Jandira pagou R$ 4,5 mil para fazer o aborto.

Leia também:  Presença de criança em apresentação com artista nu gera polêmicas em museu de SP

Poucos dias depois, um corpo carbonizado foi achado em um carro em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio. O exame de DNA realizado pela Divisão de Homicídios confirmou, em setembro, que o corpo era de Jandira.

A 35ª DP (Campo Grande) pediu em 2014 o indiciamento de 10 pessoas pelos crimes de aborto, fraude processual, formação de quadrilha e ocultação de cadáver. O Ministério Público acatou, denunciou e pediu a prisão preventiva. Oito delas continuam presas: Rosemere Aparecida, Vanusa Vais Baldacine, Marcelo Eduardo de Medeiros, Mônica Gomes Teixeira, Carlos Augusto Graça de Oliveira, Carlos Antônio de Oliveira Júnior e Luciano Luis Gouvêa Pacheco.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.