O Tribunal de Justiça, por meio da 2ª Câmara Criminal, rejeitou os argumentos apresentados pela defesa da quadrilha denunciada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso por assaltos a bancos na modalidade “novo cangaço” e manteve a condenação de oito réus. Na decisão, os desembargadores destacaram o trabalho investigativo realizado pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e reforçaram a competência da Vara Especializada Contra O Crime Organizado para apreciar a matéria.

“A descortinação de todo o grupo criminoso somente foi possível devido ao bom trabalho investigativo efetuado pelo Gaeco, que por intermédio de intensa investigação, e por meio de interceptações telefônicas conseguiu monitorar todo o grupo e agir logo que comprovou-se a identidade e autoria delitiva de grande parte do grupo criminoso”, ressaltaram.

Leia também:  Quadrilha rende e aterroriza pessoas em bar na Gleba Rio Vermelho

Os magistrados consideraram descabida a alegação apresentada no recurso de que teria ocorrido cerceamento da defesa por conta da indisponibilização do conteúdo das interceptações telefônicas. “Os próprios causídicos fizeram uso dos autos das medidas acautelatórias para fazerem suas teses preliminares em sede de defesa prévia, não constando, ademais, nenhuma certidão que traga qualquer indício de plausibilidade nesta arguição”, acrescentaram.

Em primeira instância, os oitos integrantes da quadrilha foram condenados a penas que variaram de cinco a quarenta anos de reclusão. De acordo com o Gaeco, a quadrilha era composta por onze integrantes. Quando a denúncia foi proposta, três deles estavam foragidos e o processo foi desmembrado. O líder do grupo, Lindomar Alves de Almeida , foi capturado e o seu processo aguarda sentença.

Leia também:  Apartamento pega fogo após moradora esquecer uma vela acesa

Entre os crimes pelos quais os réus foram condenados estão: roubo qualificado, tentativa de latrocínio, formação de quadrilha armada, lesão corporal culposa, falsidade documental, porte e posse de arma de fogo de uso restrito e permitido, além de receptação qualificada.

Foram condenados: Carlos Eduardo Sobrinho, Francisco Hélio Bezerra Feitosa, Evódio Alves de Souza, Jelso Bazzo Júnior, Paulo Sérgio Alves de Sousa, Luiz Antônio Alves de Souza, Clodoaldo Pedro Barbosa e Alberone Rodrigues Pereira Júnior.

 

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.