Foto: assessoria
Foto: assessoria

Para buscar combater o trabalho escravo na área urbana e rural de Rondonópolis, ocorreu durante esta quinta-feira (2), o 1º Seminário de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo Contemporâneo: a importância da atuação de agentes públicos. O evento acontece no salão do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rondonópolis e tem como prioridade capacitar 200 agentes comunitários de saúde e endemias da Prefeitura Municipal. A importância da capacitação é possibilitar aos agentes, que estão próximos aos cidadãos diariamente, identificar atitudes de trabalho escravo contemporâneo.

No cronograma de palestras e formações dinâmicas, incluem-se quatro painéis de discussões com Amarildo Borges de Oliveira, chefe da fiscalização da SRTE/MT; com a procuradora do Trabalho na 23º Região Drª Cláudia Fernanda Noriler Silva; com a juíza do trabalho da Comarca de Rondonópolis, Drª Samantha da Silva Hassen Borges, e com representantes do Poder Público Municipal. A finalidade, segundo a enfermeira responsável pela Vigilância da Saúde do Trabalhador, Bernadete Bispo da Silva, é montar um plano de ações para que situações degradantes a trabalhadores possam ser combatidas na prática. “Sabemos que esta realidade ainda faz parte do dia a dia, especialmente em alguns segmentos de produção. A vigilância da saúde do trabalhador estará afinada com os agentes, que nos trarão denúncias. Ao constatarmos a confirmação da exploração, passaremos o caso ao Ministério Público do Trabalho”, explicou.

Leia também:  Em outubro nova gestão assume o Hospital Regional de Rondonópolis

A procuradora do Trabalho, Cláudia Noriler, disse que é necessário entender o trabalho escravo dentro de uma nova roupagem. “Quando se fala em trabalho escravo, o senso comum traz para as pessoas a ideia do negro acorrentado. Mas hoje este conceito tem de ser atualizado pela opinião pública. Temos na construção civil, por exemplo, uma rotina de trazer trabalhadores de regiões pobres do Brasil, especialmente do Nordeste, e colocar estas pessoas, que viviam em condições desumanas por lá, para trabalhar em alojamentos indecentes, sem alimentação adequada e muitas vezes em remunerações não condizentes com o mercado atual, já que para estes trabalhadores a sensação ainda seria de evolução. Ocorre que isto já configura um trabalho escravo, porque temos uma legislação trabalhista vigente e que tem de ser cumprida.
Aquele que promove o trabalho escravo pode ser enquadrado pelo artigo 149 do Código Penal e ter sua propriedade embargada, ficar sujeito a pagar indenizações ou mesmo ser privado de sua liberdade”, pontuou.

Leia também:  Chuva deve cair ainda esta semana em Rondonópolis; diz Inpe

Os secretários municipais Hussein Daoud e Marildes Ferreira, de Assistência Social e Saúde, respectivamente, participaram do seminário e asseguram que o Município será parceiro fixo da luta contra o trabalho escravo. “Hoje muitas vezes o que temos acesso em dados na vigilância da saúde do trabalhador são só os acidentados que chegam nos prontos socorros, na maior parte das vezes vindos de construções ou fazendas. Mas vejo que agora, por meio das agentes, conseguiremos ser muito mais efetivos neste combate”, afirmou Marildes.

Já Hussein, considera que a capacitação da mão de obra de vítimas do trabalho escravo é o caminho para que estas pessoas não voltem a ser novamente exploradas. “Falei nesta semana com o secretário Valdinei Arruda, da Secretaria Estadual de Trabalho e Assistência Social (Setas/MT) e vamos estabelecer um convênio para a criação do ‘Emprega Rede’. Este mecanismo funcionará como uma política de resgate a vítimas do trabalho infantil, de violência doméstica e também do trabalho escravo. Vamos preparar efetivamente estes cidadãos para que eles retornem ao mercado de trabalho e consigam apagar manchas que tiveram em suas vidas”, adiantou.

Leia também:  Robozão chama atenção do público durante a 3ª Feciti

O seminário é realizado em conjunto pela Prefeitura, por meio das secretarias municipais de Saúde, Promoção e Assistência Social e Educação, com a Comissão da Pastoral da Terra – CPT, Ministério Público do Trabalho – MPT, Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo de Mato Grosso – Coetrae, Justiça do Trabalho e Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso – SRTE/MT.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.