Acostumado a voar nas “pistas”, Cesar Cielo está frustrado com as condições que o seu carro chegou para disputar o Mundial de Fórmula 1 das piscinas. Comparando sua situação com a de um piloto que não vai para corrida com a sua máquina 100%, o campeão olímpico deixou a final dos 50m borboleta do Mundial de Kazan, nesta segunda-feira, decepcionado com o amargo 6º lugar na final dos 50m borboleta – prova na qual foi campeão mundial em 2011 e 2013. Cielo não foi ao Pan de Toronto e concentrou sua temporada na competição da Rússia. Para o velocista, no entanto, a preparação para o Mundial deixou a desejar e acabou custando muito caro.

– A gente começou o polimento, e o polimento não fez efeito. A gente não ganhou velocidade. Eu sentia que meu corpo estava mais descansado, mas a velocidade… ia dar um tiro, e era a mesma coisa; ia para a competição, e era a mesma coisa. Então, há alguma coisa que não é muscular, porque eu senti uma diferença muscular nesse passar do tempo. É alguma coisa que está desligada mesmo, que pode ser um cansaço mental, e que é deste ano. Normalmente, a gente brinca que no polimento é que surgem os grandes atletas e, neste ano, o meu polimento foi o de um atleta normal. Não saí do ordinário. Isso é preciso para o Mundial. Para ser sincero, estou com uma certa tranquilidade por ter sido aqui – afirmou.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C

Favorito, o francês Florent Manaudou conquistou a medalha de ouro (22s97). O brasileiro Nicholas Santos, de 35 anos, garantiu a prata (23s09). O húngaro Laszlo Cseh e o polonês Konrad Czerniak empataram na terceira colocação (23s15) e ficaram com o bronze.

O desempenho ruim desde a primeira eliminatória dos 50m borboleta em Kazan, no domingo, já indicava que uma medalha na final seria uma missão difícil parar Cesar Cielo. No fundo, no entanto, o velocista ainda acreditava que era possível subir ao pódio e quem sabe até alcançar o tricampeonato. Seu desempenho dentro d’água e o resultado no final (sexto, em 23s21), porém, mais uma vez deixaram evidentes a fase ruim vivida pelo nadador.

– Eu fiquei a meio segundo do meu melhor tempo. É uma braçada inteira, isso custa muito caro. Mas é bola para frente, a competição não acabou ainda. Mas é isso aí. Não tem muito mais o que fazer, não. (…) Não estou desenvolvendo o que sei desenvolver. A parte mental eu não acredito que seja problema, não. E acredito que não vou carregar para os próximos dias. É que nem Fórmula 1, a gente não acertou o carro para agora. Dessa vez a gente errou a mecânica. É tentar corrigir alguns detalhes para o ano que vem e, para agora, é acertar um parafuso ou outro que tiver para apertar. Mas, em geral, o carro vai ser esse aí mesmo.

Leia também:  União vence e avança na série D

DORES NO OMBRO
Preparação ruim, lesão no ombro, cansaço. Ainda é difícil definir ao certo qual problema está atrapalhando seu desempenho Mundial de Kazan. A única certeza que tem até agora é de que não está nadando bem.
– Estou um pouco melhor que ontem ainda, mas esse tempo eu mando em qualquer campeonato no Brasil. Eu não estou nadando bem, não fiz minha parte. Já nadei varias vezes abaixo do tempo que foi campeão dessa prova. Então, é decepcionante. É um pouco triste saber que tinha chance de repetir a medalha de ouro. Mas vai ficar expectativa para ser tri em 2017.

Todas as finais e semifinais da competição, que acontecem até domingo, têm transmissão ao vivo do SporTV, sempre a partir das 11h30 (horário de Brasília). Os assinantes do canal também podem assistir pela internet, no SporTV Play, e o SporTV.com acompanha tudo em Tempo Real.

Leia também:  União e Luve decidem o Estadual Sub-19

Cielo chegou na competição reclamando de dores no ombro esquerdo. Há mais de um mês, antes da disputa do Aberto da França, o atleta vem sentindo um desconforto por causa da lesão. Segundo o médico da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Gustavo Magliocca, o nadador tem uma inflamação no tendão supra-espinhal. Apesar do incômodo, o nadador evitou culpar o problema pelo seu desempenho em Kazan até agora.

– Não tem muita problema em relação a isso. É uma lesãozinha. Durante a competição a gente acaba não sentindo, na adrenalina na hora. Eu que não estou nadando bem mesmo ano. Esse ano eu não ganhei velocidade, estou desde o início do ano estou nadando com os mesmos problemas. Eu não tive a evolução que é necessária para chegar no Mundial. Eu não fiz a minha parte. Mas agora já foi. Não tem como voltar no tempo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.