Coder realiza coletiva - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
Coder realiza coletiva – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

O departamento jurídico e administrativo da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis (Coder), realizaram na tarde de hoje (10), uma coletiva de impressa, para esclarecer uma suposta irregularidade na realização do concurso. A denúncia foi protocolada na semana no Ministério Público Estadual (MPE), por um candidato que disputava uma das 88 vagas oferecidas. Na oportunidade, também foi divulgado o novo prazo do resultado dos aprovados.

De acordo com a denúncia, a irregularidade teria acontecido na aplicação das provas práticas e do teste de aptidão que aconteceu no dia 26 de julho. O candidato que disputava uma vaga para tratorista agrícola afirmou que veículo que foi disponibilizado não foi um trator, e sim uma “tobata”, de duas rodas. A denúncia ainda aponta que o equipamento oferecido é da empresa Coder, porém quem realizou o concurso foi a empresa ACPI.

Leia também:  Carnaval ainda é problema para promotor de eventos e prestadores de serviço

Contudo, o assessor jurídico da autarquia, Dailson Nunis, explica que o concurso foi realizado com muita transparência e de acordo com todas as normas necessários. Dailson esclarece que o cargo é para operador de tobata (mini trator usado para cortar gramas de canteiros), entretanto, este cargo não possui Cadastro Brasileiro de Ocupações (CBO), por isso a nomenclatura, tratorista agrícola foi utilizada.

“Foi divulgado no dia 09 de junho, no Diário Oficial do Município, o Diorondon, bem como em outros veículos, o edital 003 onde esclarece que o cargo de tratorista agrícola iria operar, ajustar e preparar o tobata. Esta informação está clara no edital, o que garante a lisura do concurso”, argumentou.

Leia também:  ACIR confirma participação em evento científico do IFMT

Sobre a utilização de maquinários da Coder para a realização de provas, Dailson afirma que já estava previsto na licitação e no contrato da empresa responsável na realização do concurso.

“A empresa não possui maquinários para realizar os testes. Por isso, as maquinas utilizadas eram da companhia”, afirmou.

Dailson ainda frisou que não houve nenhum favorecimento e citou vários casos de pessoas ligadas a Coder não conseguiram se classificar. Já o presidente da instituição, Rodrigo da Zaeli, afirmou que tem acompanhado de perto, e que todos os tramites de realização do concurso foi realizado na maior transparência e conforme as normas exigentes

PRAZO

O resultado dos aprovados que seria divulgado hoje (10), foi prorrogado. A nova data ainda não foi definida, mas conforme o jurídico da Coder, a divulgação ocorre até o dia 18 deste mês. Foram impetrados 108 recursos na realização das provas, o que atrasou a empresa na divulgação dos aprovados”, finalizou Dailson.

Leia também:  Cinco bandas agitam Rondonópolis no 3º Cerrado Fuzz Festival em agosto
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.