Mato Grosso e Mato Grosso do Sul comemoram nesta quarta-feira (12), os 180 anos do parlamento mato-grossense, em sessão especial que será realizada às 9h, no teatro do Cerrado Zulmira Canavarros. Na oportunidade, os estados buscam aproximação para a solução de problemas comuns como a logística e fronteira.

Presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso e idealizador do evento, Guilherme Maluf (PSDB) lembra que desde a divisão do Estado, em 1977, que resultou na criação de Mato Grosso do Sul, os estados sempre estiveram distantes no âmbito político e social.

“No Nordeste, todos os estados se unem em torno de algumas bandeiras e no centro-oeste isso não acontece. Se o parlamento está unido, discutindo problemas comuns, quem ganha é a população. Por isso, vamos aproveitar a oportunidade para debater políticas conjuntas e criar uma união que já ocorreu no passado, quando tínhamos um estado uno”, afirmou.

A solenidade contará com a participação do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, deputados estaduais do estado vizinho e de Rondônia. O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, deputados estaduais e parlamentares federais também devem participar da sessão especial.

Leia também:  GAECO | Operação “Convescote” já prendeu ex-vereador e ex-secretário

Durante o Fórum dos Governadores do Brasil Central, na última sexta-feira (7), Reinaldo Azambuja avaliou que a comemoração dos 180 anos será uma oportunidade de aproximar os estados.

“A comemoração é importante, primeiro porque somos siameses, nascemos no mesmo Estado, que é Mato Grosso. Depois da divisão, nos separamos territorialmente, mas temos uma história que nos une, além do parlamento onde foram feitas leis, normativas e regramentos importantes que fizeram com que hoje os dois estados pudessem ser os mais pujantes na questão da agropecuária”, disse.

A solução de ‘gargalos’ comuns entre os estados também é classificada por Azambuja como importante nessa abertura do diálogo.

“Vamos discutir ações integradas, temos a vigilância na fronteira, os modais de logística que podem ajudar no desenvolvimento dos estados e temos muito em comum entre os estados, podemos avançar essa pauta do que podemos ter junto, e precisamos resolver os gargalos que são parecidos. A logística é o principal deles, é algo que precisamos ter rapidez na solução desse problema, isso envolve também o Governo Federal, entendo que o modal mais importante que não podemos deixar de investir é nas ferrovias”, disse.

Leia também:  Presidente do Senado dá ultimato para que senadoras da oposição permitam votação

A coordenação das festividades é dos deputados Wancley Carvalho (PV) e Wilson Santos (PSDB).

180 ANOS – Antes da sessão especial, haverá a instalação de exposição temática dos 180 anos de evolução do Parlamento Participativo, no saguão da Assembleia Legislativa, às 8h30. Às 8h40, será feito o Hasteamento dos Pavilhões: Nacional, de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul na frente da Assembleia Legislativa.

Às 9h, os parlamentares dos dois estados fazem uma visita no Instituto Memória e seguem para o teatro, onde acontece a sessão especial, homenageando tanto os parlamentares do passado – de MT e MS – quanto os da atual legislatura.
À noite, às 17h, também no Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros, serão realizadas diversas apresentações culturais, entre elas, a exposição Manoel de Barros e a Mídia Impressa no foyer do Teatro do Cerrado, tendo como curador o Instituto Memória.
Ainda no mesmo espaço, dando sequência à programação, com direção e roteiro de Luis Carlos Ribeiro será apresentada as artes cênicas: Manoel – Leite e Barro Pantaneiro.
Álbum das Sedes e o livro Discurso – Para comemorar essa data, o Instituto Memória do Poder Legislativo vai publicar um álbum contando a história do Parlamento. Nesses 180 anos, a Assembleia Legislativa ocupou quatro sedes.
Outro livro que recebe o título de “Discurso – Volume I”. A obra conta a história – de 1979 até 2015 – dos discursos de posse dos ex-presidentes da Assembleia Legislativa e dos ex-governadores de Mato Grosso – Oscar Ribeiro e Frederico Campos, respectivamente – e dos atuais chefes do Legislativo e Executivo, respectivamente Guilherme Maluf (PSDB) e Pedro Taques (PDT).

Leia também:  Secretários são convocados a dar explicações sobre falta de pagamentos do carnaval
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.