Alunos do município de Cáceres estão enfrentado uma jornada de mais de 4h para conseguir chegar a uma escola, devido a uma interdição que ocorreu na unidade de ensino que fica perto de suas casas.

Segundo as informações, na comunidade rural do município, duas pontes foram por água abaixo há um ano e meio. O que de fato, os alunos têm que percorrer um trajeto, dando uma volta enorme até chegar à escola mais próxima, que fica a 120 quilômetros.

Até chegar a instituição, a maior parte do trajeto é por estrada de terra, o que torna a viagem demorada e cansativa. Sem contar a realidade do veículo que os transportam, sendo que, os bancos do ônibus estão rasgados e não tem ar condicionado para amenizar a temperatura, que está diariamente perto dos 40°C. “A viagem é muito quente, eu fico suando muito”, conta a aluna Auêna Araújo Octaviano.

Ainda de acordo com as informações, no meio do percurso, o ônibus fica lotado e ninguém usa cinto de segurança. “A gente não usa, porque é muita poeira. Aí chega na escola todo sujo. É perigoso, mas a gente corre o risco”, diz Carolaine Fialho Fernandes.

São quase 4h dentro do ônibus para chegar até a escola. Sacrifício que tem reflexo na aprendizagem dos alunos. “Eles chegam na escola visivelmente cansados. Quando aplicamos avaliações, a gente percebe a dificuldade que o aluno tem da assimilação do conteúdo”, conta o professor Luiz Elias Gonçalves.

Após a aula, exaustos, os alunos mais uma vez encaram o mesmo trajeto para chegar até suas residências, somando mais 4h. “Eu não consigo me concentrar na tarefa, fico com sono e atrapalha tudo”, conta a estudante Gabrieli Silva.

Segundo o secretário de Infraestrutura de Cáceres, Valter Scarkin, o município não tem dinheiro para construir uma nova ponte. Já o secretário de Educação de Lambari do Oeste, Vander Moura Batista, disse que os alunos são os responsáveis quanto aos bancos rasgados no ônibus e que os pais já foram avisados. Ele ressaltou também que a Polícia Militar faz operações para orientar sobre a importância do uso do cinto de segurança.

 

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.