Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Na semana passada, Fabiana Beltrame, talvez a única remadora de destaque no país, publicou um desabafo nas redes sociais contra as decisões da CBR. A mais recente, que incentivou um boicote de Flamengo, Vasco e Botafogo, alterou para o final de outubro um campeonato brasileiro em Brasília, quando para esta mesma data já estava agendado o campeonato do Rio de Janeiro.

“Há falta de organização, mudanças de planejamento e guerra entre entidades que supostamente deveriam trabalhar em conjunto, os clubes, federações e confederação”, postou Fabiana, que representa o Vasco.

Segundo Altino, sobre este problema só os clubes do Rio reclamaram. “Toda essa polêmica se dá pelo fato de a sede da confederação ser no Rio de Janeiro, vizinho de Flamengo e Botafogo. A história do remo sempre foi da CBR apoiando os clubes do Rio. E quando este apoio deixa de ser como eles estão acostumados, há a crítica”.

Tem dinheiro, falta resultado
Altino tem uma posição interessante sobre os remadores brasileiros. “Os atletas do remo no país são os mais apoiados do mundo inteiro. Eles têm mais suporte financeiro do que os outros atletas”, aponta. O Remo tem o patrocínio do Bradesco, por intermédio da lei de incentivo ao esporte, e foi contemplado com R$ 2.8 milhões da Lei Piva pelo COB no último ano.

Leia também:  Dom Bosco marca jogo para às 9h no domingo pela Copa FMF

Mas pelas contas apresentadas pelo dirigente na Câmara, cerca de 70% desse montante vai para os atletas nas equipes permanentes, comissões técnicas, equipe de manutenção dos barcos, além de apoio para participar de competições e treinamentos. “O atleta só precisa chegar com a vontade, o resto é por nossa conta”, afirmou o presidente da CBR. Os outros 30% servem para manutenção da entidade e cursos de formação, segundo Altino.

O remo poderia até contar com mais recursos. Não há um único projeto de convênio celebrado com o Ministério do Esporte. O que torna a CBR uma das poucas confederações que não apresentou proposta, apesar do interesse da pasta.

Os resultados dos brasileiros estão longe de ser expressivos nas competições internacionais neste ciclo olímpico. No Mundial realizado na França, no início do mês, o destaque ficou por conta do quarto lugar de Fabiana Beltrame no single skiff peso leve, prova em que fora campeã mundial na Eslovênia, em 2011. Na categoria “Dois sem” masculino, Vinicius Delazeri e Victor Ruzicki ficaram em 23º entre 26 concorrentes.

Leia também:  Luve vence em casa e fica fora do Z-4

No skiff masculino, a CBR apoiou o brasileiro de nascimento mas radicado há décadas na Suíça, Steve Hiestand, que terminou em 6º na final C (18º no geral). Altino disse que após o Mundial visitou o atleta na Suíça e prometeu mais apoio da confederação na preparação para o Rio-2016.

Quem se encarrega em renovar?
Aliás, Fabiana Beltrame, 33, sozinha, sustenta o remo no noticiário esportivo, com sua performance. Ela está no cenário desde antes dos Jogos Olímpicos de Atenas-2004.

Questionado pelo blogueiro pela ausência de jovens talentos neste ciclo olímpico, Altino atribuiu a falta de renovação aos clubes. “Fabiana é um talento que se destaca, grande parte do nosso retorno de mídia está relacionado a ela. Mas a renovação da equipe deve partir dos clubes, porque muitas vezes a confederação é apontado como culpada pela não renovação, mas isso é de responsabilidade dos clubes. A confederação não tem escolinha de remo, não capta os atletas na escola de ensino e leva para competição internacional, o atleta precisa chegar a um nível mínimo para estar na seleção brasileira”, justificou.

Leia também:  1º Campeonato de Futebol Amador está com inscrições abertas até segunda

Futuro é duvidoso
Os atletas do alto rendimento do remo nacional ainda não têm certeza se participarão do próximo Campeonato Brasileiro, marcado para Brasília. E, caso participem e atinjam um bom nível para chegar à seleção, não sabe onde vão treinar, já que a raia da seleção estará “ocupada” por um bom tempo…

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.