Deputado Adilton Sachetti - Foto: assessoria
Deputado Adilton Sachetti na CPI – Foto: assessoria

O deputado federal Adilton Sachetti, participou hoje (27) da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das obras da Copa, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (MT).  Sachetti foi convidado a prestar esclarecimentos da época em que era presidente da extinta Agência Estadual de Execução dos Projetos da Copa do Mundo (Agecopa).

Ele pediu demissão em outubro de 2010, quando denunciou interferência política, ‘jogo de egos’ e interesses pessoais de alguns integrantes da diretoria da Agência. “Só tinha uma maneira de me tirarem da Agecopa, ou era causa nominada e dois terços da Assembleia votar pela a minha saída, ou era pedir demissão e eu optei pela segunda” esclarece o deputado.

Leia também:  Maggi continua no Governo e descarta entrar na disputa em 2018

Em seu depoimento, Sachetti afirmou que enquanto presidente, o único modal em discussão era o BRT, e que o VLT só passou a ser levado em consideração após a sua renúncia.  Sachetti lamentou o fato de MT ter perdido a oportunidade de fazer um bom trabalho na realização das obras da Copa do Mundo em Cuiabá. Para ele, essa foi a oportunidade de ‘alavancar’ o estado no cenário nacional que se deixou passar.

“Imaginávamos que a Copa do Mundo iria trazer algo de benefícios para o nosso estado, e trabalhamos para isso, a ideia era essa. Era modificar a visão que o Brasil tinha de MT, era modificar a visão que o mundo tinha do Brasil. A oportunidade perdida foi enorme de não ter feito um trabalho no sentido de valorizar nosso estado, de levar propostas ativas e positivas, mas ficamos aqui com a pequenez de discutir obras e esquecemos do estado”, afirmou.

Leia também:  Rodrigo da Zaeli recebe pedido de lideranças comunitárias da região Salmen
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.