Até 21h desta quinta-feira (8), nove cidades catarinenses informaram à Defesa Civil do estado sobre estragos causados pela chuva. O órgão prepara um relatório com os prejuízos registrados.
Do Oeste, Abelardo Luz, São Miguel do Oeste, São Carlos, Itapiranga, Xanxerê e Lebon Régis comunicaram danos. Da Serra, Lages e Campo Belo do Sul. Por fim, Timbó, no Vale do Itajaí, também informou que teve prejuízos. Desses municípios, Lebon Régis decretou situação de emergência, segundo a Defesa Civil estadual.
Abelardo luz e Itapiranga sofreram com vendavais e tiveram quedas de árvores. São Miguel do Oeste teve pontos de alagamentos. Em São Carlos, cinco residências estavam isoladas até 21h40 por causa de deslizamentos. A cidade foi atingida por enxurrada.
Xanxerê registrou alagamentos. O cenário foi semelhante em Campo Belo do Sul. Já em Lages, na região Serrana, foi registrada inundação, com transbordamento do rio Cahrá. Timbó foi afetada por tempestade e teve problemas com o abastecimento de energia elétrica.
Acumulado de chuva
Lages, que registrou alagamentos, foi a cidade catarinense com o maior acumulado de chuva em 24 horas, até 20h30 desta quinta. Veja abaixo a lista, segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden):

Lages (Serra) – 96 mm
Águas de Chapecó (Oeste) – 84 mm
Praia Grande (Sul) – 82 mm
São João do Sul (Sul) – 80 mm
Videira (Oeste) – 73 mm
Morro Grande (Sul) – 72 mm
Santa Rosa de Lima (Sul) – 70 mm
Fraiburgo (Oeste) – 70 mm
Palmitos (Oeste) – 70 mm

Leia também:  Vereador extrapola na bebida e atropela mulher com duas crianças em SP

 

Foto: Polícia Militar/Divulgação
Foto: Polícia Militar/Divulgação

Morte em Lebon Régis

Um homem morreu na tarde desta quinta após ser atingido por um raio em uma plantação no interior de Lebon Régis, no Oeste catarinense.

De acordo com a Polícia Militar, o socorro foi chamado perto das 15h. O acidente foi na comunidade Rio dos Passos. A vítima trabalhava em um trator em uma plantação junto com outra pessoa.

Quando começou a chover na região, o homem buscou abrigo embaixo de uma árvore e acabou  atingido. Os bombeiros atenderam o acidente e estavam no local quando os policiais chegaram. O homem, porém, já estava morto.

O corpo foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML) de Caçador. Até a publicação desta notícia, a vítima não havia sido identificada oficialmente.

Decreto de emergência
A cidade de Lebon Régis foi castigada por granizo, registrou danos em pelo menos 200 residências, prédios públicos, teve cerca de mil afetados e danos nas produções de cebola e alho, segundo a Defesa Civil. O município decretou situação de emergência.

A Defesa Civil do estado disponibilizou nesta quinta 10 rolos de lona de 100 metros cada para os atingidos do município.

 

Foto: Eder de Liz/ Divulgação
Foto: Eder de Liz/ Divulgação

Alagamentos na Serra

A chuva em Santa Catarina causou alagamentos na região da Serra nesta quinta-feira.
Uma forte pancada de chuva em Lages, na Serra catarinense, causou alagamentos no bairro Morro do Posto pela manhã. O rio Carahá transbordou no Centro da cidade e outros três bairros enfrentaram o mesmo problema com o rio Ponte Grande.

Com as chuvas, as escolas da rede pública de Lages não terão aulas nesta sexta (9). A Secretaria Municipal informou o cancelamento nas escolas municipais. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de Lages, a medida será aplicada na rede estadual em 12 cidades da região, afetando 30 mil alunos.

Leia também:  Carreta-cegonha com veículos do Ibama é incendiada no Pará

Os municípios da região, como Otacílio Costa, Correia Pinto e São Joaquim estavam mobilizados com abrigos para eventuais desabrigados.

 

Oeste
No município de Campo Erê,  bombeiros informaram à RBS TV que a força do vento derrubou 40 eucaliptos. Dois bois foram atingidos e morreram.

Em São Carlos, pelo menos cinco residências haviam sido atingidas pela enxurrada, mas não houve desabrigados, de acordo com a Defesa Civil.

Em Anchieta, houve queda de postes de energia elétrica, conforme apurou a reportagem da RBS TV em Chapecó.

Em Abelardo Luz, dez casas foram danificadas. Um galpão foi totalmente destelhado.

 

Foto: Bombeiros/Divulgação
Foto: Bombeiros/Divulgação

 

 

Próximos dias
Em coletiva na tarde desta quinta, a Defesa Civil de Santa Catarina alertou para tempestades severas que estão previstas para os próximos quatro dias, desta quinta e até domingo (11).

A meteorologia aponta que, para Oeste, Serra e Litoral Sul o volume acumulado a partir desta quinta (8) até domingo (11) pode atingir  300 milímetros. Na Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Norte os volumes esperados são menores, com a média de 190 milímetros.

No início da noite, a Defesa Civil informou os mais volumes de chuva registrados no período de 24 horas, conforme as estações do Cemaden: foram 91 mm em Lages, 82 mm em Praia Grande, 80 mm em São João do Sul, 77 mm em Águas de Chapecó e 69 mm em Rio Rufino.

Leia também:  Suspensão de processo da tragédia em Mariana gera protesto em MG

“É um volume grande de chuva em poucos dias, principalmente de quinta a sexta. Temos os instrumentos da barragem, os aparelhos meteorológicos e o radar a nosso favor, enfim toda a estrutura da Defesa Civil organizada nos municípios para que possamos levar a informação correta à população e minimizar os efeitos dessas chuvas”, disse o secretário de Estado da Defesa Civil, Milton Hobus.

Os técnicos alertam ainda para as casas que são construídas nas encostas, para observar qualquer movimento de terra ou rochas próximas as residências, além da inclinação de postes e árvores e rachaduras em muros ou paredes. “Nesses casos recomendamos que a família saia de casa e acione a Defesa Civil municipal ou o Corpo de Bombeiros”, explicou Fabiano de Souza, diretor de Prevenção Defesa Civil SC.

Alerta no Vale
Depois de uma reunião na noite de quarta (7), a prefeitura de Rio do Sul, no Vale do Itajaí, decidiu começar a organizar abrigos. Segundo a Defesa Civil estadual, eles estão prontos para ser abertos a qualquer momento.

A decisão para abertura de abrigos é tomada em conjunto entre a prefeitura e a Defesa Civil da região.

Hobus explicou que várias medidas já foram tomadas no Vale do Itajaí. “Nesse momento, não há nenhum indicativo que ocorram cheias na região como foi em 2011. Todos os reservatórios daquela região estão com cerca de 95% da capacidade disponíveis”.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.