Depois da super movimentada sessão da Câmara Municipal de Rondonópolis da última quarta-feira (30), onde parte da sociedade civil organizada entregou a Carta da Primavera e protestou contra a existência da Verba Indenizatória para os parlamentares municipais, uma pergunta ficou no ar: E agora qual será o caminho a ser adotado pelos vereadores?

O movimento contra a verba, que é legítimo, diga-se de passagem, parece que tem em sua grande maioria gente interessada no bem coletivo, mas como em toda atividade humana, tem “infiltrados” no seu meio aqueles que desejam tirar proveito, de um anseio real da população, para se projetar politicamente, já que a eleição de 2016 já bate a nossa porta.

Leia também:  Jacilene deve concorrer à reeleição no Serv Saúde

Ao que parece ao fim da sessão, alguns manifestantes, já não mais discutiam se a verba é legal ou não, mas a necessidade por parte dos vereadores em prestar contas de como foram gastos os R$ 10 mil mensais.

Cabe agora ao legislativo municipal, decidir quem tem mais poder, o Tribunal de Contas do Estado (TCE), ou os eleitores rondonopolitanos, que por sua vez, tem a chance de tirar deste episódio as lições necessárias para que nas próximas eleições não sejam iludidos por oportunistas e aventureiros de plantão que se utilizam das mazelas alheias para se apresentarem como salvadores da Pátria.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.