Reunião na Câmara Municipal com entidades sobre verba Indenizatória.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT
Reunião para discutir verba indenizatória – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Quem esteve na Câmara Municipal de Rondonópolis, na manhã desta quinta-feira (1º), pôde acompanhar um debate caloroso sobre a verba de natureza indenizatória entre vereadores, sindicatos, conselhos, associações, entidades religiosas, entre outros. Porém, apesar de alguns presentes requerer a extinção da verba, o presidente da Câmara Municipal, vereador Lourisvaldo Manoel de Oliveira ‘Fulô’, (PMDB), disse à reportagem do AGORA MT, que esta possibilidade está descartada.

“Nós vamos continuar com a verba indenizatória, não é eles que vão decidir isto, é o Tribunal de Contas, que diz o que podemos fazer. Você só recua quando algo está errado, e não é o caso. Deram transparecer que estamos criando uma coisa nova e não é, ” disse o presidente.

Leia também:  PC cumpre ordem judicial e prende mulher durante visita na Mata Grande
Lourivaldo de Oliveira fulo.Foto:Varlei Cordova/AGORAMTLourivaldo de Oliveira fulo.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT
Presidente da Câmara, Lourivaldo de Oliveira .Foto:Varlei Cordova/AGORAMT

Apesar disto, o presidente acredita na possibilidade de haver a prestação de contas quanto a verba, principal reivindicação dos presentes. “Existe esta possibilidade, desde que haja uma orientação do Tribunal de Contas. A lei dispensa a prestação de contas, mas vamos sentar com o Tribunal de Contas, para decidir isso. Não há nenhum problema em fazermos isso, ” ponderou ‘Fulô’.

Nesta reunião, a Carta da Primavera (documento elaborado durante fórum) foi apresentada aos parlamentares e presentes. O documento foi elaborado, após a proporção da discussão em torno da verba indenizatória, durante assembleia presidida pelo Conselho de Leigos de Rondonópolis.

Miguel Weber.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT
Presidente do Conselho de Leigos, Miguel Weber – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Miguel Weber, presidente do conselho, acredita que os vereadores estão dispostos a acatar a transparência na verba indenizatória. “A gente não tem dúvida que os vereadores estão solícitos. Se explicar com riqueza de detalhes que sim, esta verba é necessária, nós também não seremos contra. O que queremos é a prestação de contas. O que quero ver é o amparo e o parecer do Tribunal de Contas para que tenha a prestação de contas” disse Weber.

Leia também:  Robozão chama atenção do público durante a 3ª Feciti
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.