Foto: reprodução/The Atlantic
Foto: reprodução/The Atlantic

Sim! O CEO dá folga toda sexta, sábado e domingo…imagine!

O mais interessante é que, com isso, a empresa visa justamente a produtividade… e consegue.

“Eu acho que trabalhar duro é ótimo”, disse Carson em entrevista ao The Atlantic. “Digo, eu trabalho muito duro mesmo, sabe… mas só de segunda a quinta.”

A empresa

Com sede em Portland, no estado norte-americano do Oregon, a Treehouse é uma empresa de tecnologia que oferece uma plataforma de estudo à distância online, a preços baixos.

Fundada em 2013, ela herdou essa tendência “menos é mais” do negócio anterior de Ryan, a Carsonified, de 2006. Sua esposa e companheira de trabalho, Gillian, foi quem sugeriu dar as sextas de folga.

Leia também:  Após ficar viúvo, americano evita a solidão construindo piscina para crianças da vizinhança

Benefícios

Além dos 3 dias de folga por semana a empresa de Ryan Carson ainda dá benefícios a seus funcionários como vale-refeições generosos, ajudas de custo em creches, escolas e demais investimentos relacionados ao bem-estar da família.

Outra inovação na empresa é o fato de ter eliminado hierarquias tradicionais: todo dia, os funcionários chegam no expediente e escolhem em quais projetos trabalharão.

Crescimento

Apesar de ser impossível medir o quanto a inovadora rotina atinge a produtividade no fim do ano, o desenvolvimento da Treehouse em quase três anos de operação fala por ela.

Em pouco mais de dois anos, a plataforma já tem mais 100.000 usuários, 100% de retenção dos funcionários e teve US$ 10 milhões (cerca de R$ 38 milhões) de receita em 2014.

Leia também:  Incêndio em Portugal continua e deixa 27 mortos e mais de 50 feridos

A expectativa é tão alta que uma dupla de investidores fez o aporte de US$ 13 milhões (quase R$ 50 milhões) na ideia de Carson.

“Se você colocar duas pessoas para apostar corrida durante 30 dias, e uma delas percorrer 60 horas por dia, enquanto a outra trabalha 32, a primeira certamente irá apresentar mais resultados no fim do mês”, conclui.

“Mas se você fizer o mesmo durante um ano? E sete anos?!”.

A ideia

“Um dia eu estava sentado no sofá com a minha mulher e nos perguntamos: ‘O que é isso que estamos fazendo?’. Teoricamente, temos o controle de nossa vida agora que possuímos uma empresa, mas parece que estamos trabalhando ainda mais”, conta ele.

Leia também:  Família autoriza doação de órgãos e salva a vida de 6 pessoas na Itália

Para Michel Watson, que ocupa o cargo administrativo de CFO, a motivação sempre foi acomodar pais e funcionários jovens, que não encaram a rotina workaholic como um fator positivo em suas vidas.

O resultado é justamente menos tempo perdido e mais qualidade de vida.

“Eu acho que, quando as pessoas não estão lotadas de coisas para fazer, aumenta a chance daquela lâmpada acender, de acontecer aquele momento de inspiração e epifania”, complementa Watson.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.