Larissa Iordache da Romênia - Foto: Reprodução
Larissa Iordache da Romênia – Foto: Reprodução

Havia um motivo bem relevante para o público acordar cedo e lotar a arena Hydro já na primeira sessão qualificatória do Mundial de ginástica artística que começou nesta sexta-feira, em Glasgow (Escócia): a apresentação da Romênia. Mas o desempenho sofrível nas barras assimétricas, antiga especialidade do país, pode complicar as pretensões da equipe.

Após fazer apresentações satisfatórias no solo e subir as notas com bons voos no salto, as romenas partiram para as barras e se atrapalharam. Das quatro ginastas que se apresentaram, três caíram e uma se desequilibrou. Com isso, o resultado catastrófico se confirmou: apenas 49,133 pontos no aparelho, uma média baixa.

Na trave, o conjunto se reabilitou, mas a soma final de 217,220 pontos ficou abaixo até dos 219,261 que a Romênia fez nas eliminatórias do Mundial do ano passado, na China, quando a equipe se classificou para a final apenas na sétima e penúltima posição.

Leia também:  União, mesmo com derrota, avança e joga de novo contra o Dom Bosco

Para dar uma medida da atuação ruim, até o Canadá, que é uma seleção em ascensão, mas não está entre as potências do esporte, conseguiu uma nota maior: 222,780 pontos. O Japão, já com mais tradição, fez grandes apresentações nas barras e no solo e assegurou a liderança parcial com 223,863 pontos na primeira metade do dia.

 Larissa Iordache da Romênia - Foto: Reprodução
Larissa Iordache da Romênia – Foto: Reprodução

Com a certeza de que EUA, Rússia e China são as melhores seleções do campeonato, a Romênia torce agora para não ser ultrapassada por seleções de menor expressão como Austrália, Alemanha e até o Brasil, que pode se dar bem se fizer uma boa prova ainda nesta sexta, às 13h30 (horário de Brasília). As oito melhores equipes avançam à final e se classificam diretamente para os Jogos do Rio-2016. Quem ficar entre o 9º e o 16º lugar disputará o evento-teste em abril do ano que vem, último qualificatório olímpico.
Para piorar, a principal ginasta do país, Larissa Iordache, teve quedas na trave e nas assimétricas e terminou sua participação com 55,698 pontos, o que deve levá-la para a final individual geral, mas talvez não seja suficiente para colocá-la nas decisões por aparelhos.

Leia também:  Times de Mato Grosso vão mal na rodada de final de semana

Na passagem pela zona mista, área em que concedem entrevistas aos jornalistas, as romenas estavam inconsoláveis. Falaram apenas com uma televisão do próprio país e, à medida que respondiam às perguntas, caíam no choro. Iordache era a mais desapontada, demonstrando estar descrente com a classificação da equipe.

Iordache e Diana Bulimar são os principais nomes da Romênia em Glasgow, mas a seleção europeia ficou desfalcada de última hora de sua veterana estrela, Catalina Ponor. A campeã olímpica, que havia se aposentado após os Jogos de Londres-2012, voltou a treinar no início deste ano e fez boas apresentações em treinos amistosos, sendo convocada para o Mundial. Entretanto, sofreu uma lesão e não se recuperou a tempo de participar do campeonato. O retorno de Ponor era pretendido pela comissão técnica justamente para resolver o problema causado pela falta de experiência das ginastas do time.

Leia também:  Federação realiza arbitral após desistências em série

Ainda na primeira sessão desta sexta, a Espanha, adversária direta do Brasil, contou com uma barulhenta torcida e somou 210,094 pontos, menos do que elas mesmas e o Brasil fizeram no Mundial de 2014. Suécia e Áustria completaram a primeira metade do dia com 206,262 e 201,793 pontos, respectivamente.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.