foto: Reprodução
foto: Reprodução

Ronaldinho Gaúcho foi para perto da família e dos amigos de longa data depois de deixar o Fluminense. Após o anúncio da saída do clube na noite da última segunda-feira, o atacante viajou para Porto Alegre, cidade natal dele, e comemorou o aniversário da mãe, Dona Miguelina, num churrasco na noite de terça. Mas a passagem pela capital gaúcha não deve ser longa. A três meses do fim do ano, a ideia do jogador é dar um tempo pelo menos até o mês de dezembro. A partir daí, vai estudar propostas. A prioridade é voltar a jogar fora do Brasil. Nos próximos dias, ele começa a rodar a passeio pelo país e pelo exterior. Belo Horizonte e Salvador estão entre os destinos certos.

Leia também:  Flamenguistas são detidos por jogarem bombas em porta de hotel de time adversário

A pausa de Ronaldinho após o desligamento também é boa parte forçada. Ele só poderia voltar a jogar ainda este ano em mercados que estejam com a janela de registro aberta. Neste caso, as opções são poucas e inexpressivas, como Austrália, Guatemala, Líbano e Nova Zelândia, segundo informa o site da Fifa. Cenários que não atraem o astro nem mesmo no pior momento da carreira. Aos 35 anos e com passagens curtas e frustrantes por Querétaro, do México, e pelo Tricolor, ele repensa a carreira. Em conversas com amigos, deixa claro que não pretende se aposentar agora, apesar de a possibilidade ter aumentado depois do que viveu no Rio. Mas ao mesmo tempo reconhece que o momento não é bom. Partiu de R10 a decisão de rescindir contrato com a equipe das Laranjeiras. Entre os motivos, pesou um em especial: o fato de não estar conseguindo se enquadrar nas obrigações de atleta profissional. Os dirigentes tricolores, por sua vez, não fizeram força para segurá-lo.

Leia também:  Copa de 94 volta à tona com histórias de Romário e loira de Rondonópolis

A passagem de Ronaldinho pelo Fluminense durou 80 dias, mas poderia ter sido ainda mais curta. Ele gostaria de ter deixado o clube antes, mas seu irmão e empresário, Roberto Assis, o convenceu a ficar. Assis, aliás, tem uma preocupação: o que seria do jogador aposentado? Sem perfil para ser empresário, comentarista ou ocupar algum cargo em um clube, o agente, uma espécie de pai para o atacante, pode fazer com que ele volte a jogar por mais um tempo.
O próximo destino de R10 já é assunto. O Corinthians USA, time californiano que disputa a Soccer California Premier e se prepara para a US Open Cup, versão norte-americana da Copa do Brasil e que classifica o campeão para a Liga dos Campeões da Concacaf, tem interesse em contar com o ex-meia do Fluminense no futuro. Assis foi convidado para conhecer as instalações do clube nos Estados Unidos, o que deve ocorrer nas próximas duas semanas.
– Realmente recebemos o convite de uma pessoa amiga, foi uma coisa bem tranquila. Vou conhecer o trabalho e as instalações, mas não houve sondagem por contratação – afirmou.

Leia também:  Cuiabá Arsenal faz vaquinha para viajar à semifinal no Nordeste
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.