Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os médicos do Hospital Regional de Sinop paralisaram as atividades, desde ontem, cobrando o pagamento dos salários referentes aos meses de julho, agosto e setembro. Pacientes se deparam com a justificativa em cartazes colados nas portas, ao buscarem atendimento. A interventora Rejane Potrich Zen explicou, ao Só Notícias, que 30% dos trabalhos estão mantidos com prioridade para casos de emergência.

Rejane afirmou que o assunto já é tratado pela Secretaria de Estado de Saúde e disse acreditar que a situação seja resolvida até o início da próxima semana. “Estão paralisados desde ontem, tinham dado um prazo, que se encerrou, mas a secretaria já vinha discutindo o assunto que deve ser solucionado até o início da próxima semana e, consequentemente, o atendimento normalizado”.

Leia também:  Hidrelétrica deve gerar mais de 5 milhões de kwh por ano

A interventora explicou que os médicos não são contratados direto pelo governo do Estado, mas de empresas terceirizadas, que recebem os repasses do governo. O que teria motivado o atraso ainda não foi apontado.

Ex-funcionários do hospital também relataram que estão tendo dificuldades em relação às rescisões trabalhistas junto ao governo. Ao Só Notícias, um disse que a situação se arrasta por mais de 90 dias e ainda aponta que não houve o pagamento do vale refeição nos últimos três mês e também não teria sido feito o depósito do FGTS. Sobre estes assuntos, Rejane disse que tudo está sendo tratado pela secretaria estadual.

“Há um parecer da Procuradoria-Geral do Estado de que as rescisões devem ser pagas pela OSS [Organização Social de Saúde]. O hospital está sob intervenção, mas há um contrato ainda, não houve rescisão”.

Leia também:  Cuiabá | Presépio teatral é inaugurado com peças gratuitas

Rejane ainda afirmou que o governo tem tomado as medidas necessárias em relação às organizações sociais e a saúde. “As OSSs entraram no governo passado e o atual tem feito de tudo para solucionar os problemas”. O hospital está sob intervenção do governo desde novembro do ano passado, devido a identificação irregularidades pelo governo, nos serviços prestados pela OSS que antes o administrava.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.