Equipes da polícia durante a negociação - Foto: Messias Filho / AGORA MT
Equipes da polícia durante a negociação – Foto: Messias Filho / AGORA MT

Entre as reivindicações feitas pelos menores apreendidos durante a rebelião registrada ontem (18) estava o aumento na quantidade de comida diária. Cinco pessoas foram mantidas como reféns pelos menores apreendidos no Centro Regional Socioeducativo, ao lado da Delegacia Especializada do Adolescente (DEA), na Vila Aurora, em Rondonópolis.  A rebelião começou durante o período de visitas e durou cerca de 5h. (leia mais)

Centro Socioeducativo durante a rebelião - Foto: Força Tática
Centro Socioeducativo durante a rebelião – Foto: Força Tática

Durante o sequestro e cárcere privado, os menores fizeram uma lista com várias reivindicações, dentre elas, aumento da quantidade e qualidade da comida diária servida a eles, que as visitas voltassem para dentro das alas, autorização para os parentes levar comida caseira servida, bem como cobertores levados pelos pais.

Quando a polícia chegou no local constatou que os agentes estavam tentando apagar o incêndio oriundo da queima dos colchões ateados pelos menores apreendidos. De imediato realizaram a contenção, isolaram o local e acionaram o Major da PM Candido para assumir a função de negociador.

Leia também:  Concessionária é acionada para resolver problema e carro pega fogo após curto circuito
Promotora de Justiça conversando com familiares - Foto: MEssias Filho / AGORA MT
Promotora de Justiça conversando com familiares – Foto: MEssias Filho / AGORA MT

Durante toda negociação os menores se mostravam irritados e nervosos, por várias vezes proferindo palavrões aos policiais que ali estavam na crise bem como arremessando pedras oriundas da depredação realizada por eles dentro das celas do estabelecimento prisional.

O primeiro a ser liberado foi um Agente Prisional em troca da presença da imprensa no local da crise, fato este atendido e logo após a imprensa foi retirada do local. Após algum tempo foi liberado também um casal de vítimas e depois uma mulher. A negociação continuou e por último foi liberado outro Agente Prisional.

Parte interna do Centro Socioeducativo - Foto: Força Tática
Parte interna do Centro Socioeducativo – Foto: Força Tática

Após a libertação dos reféns, os menores apreendidos se concentraram na quadra de esportes e ficaram aguardando a revista no local e pessoal, que foram realizadas pelos Agentes Prisionais, acompanhada também pela defensoria pública, encerrando assim a rebelião.

Leia também:  Com marcas no corpo, cantor é encontrado morto nos fundos do parque de exposição em Juína
Durante toda negociação os menores se mostravam irritados e nervosos - Foto: Messias Filho / AGORA MT
Durante toda negociação os menores se mostravam irritados e nervosos – Foto: Messias Filho / AGORA MT

Um agente da Polícia Civil que trabalha na DEA foi ferido em um dos dedos por um dos menores com uma faca, onde foi prestado assistência médica e liberado sem maiores complicações oriundas da agressão.

Equipes do Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Médico e Urgência (SAMU), Defensoria Pública, Polícia Militar, Polícia Civil, Setor de Operações Especiais (SOE) entre outros profissionais estiveram no local.

Todos os acusados foram encaminhados para 1ª Delegacia de Polícia (1ª DP) para as providências cabíveis.

As informações constam em registro no Boletim de Ocorrência (BO).

LEIA TAMBÉM 

Após 5h, rebelião no Centro Socioeducativo chega ao fim

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.