Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Lionel Messi, e seu pai, Jorge Horácio, serão julgados na Espanha por supostos delitos de fraude fiscal, informou nesta quinta-feira (08) o Tribunal Superior de Justiça da Catalunha. Caso seja condenado, o astro do Barcelona e da seleção argentina pode pegar 22 meses de detenção.

O juiz encarregado rejeitou o pedido do Fisco espanhol de julgar apenas o pai de Messi pela criação de empresas de fachada para fraudar 4,16 milhões de euros, procedentes do uso de imagem do jogador entre 2007 e 2009, em paraísos fiscais como Uruguai, Suíça e Belize.

A Procuradoria Geral não aceitou as alegações de que o jogador não sabia como era feita a gestão de seu patrimônio nem estaria ciente das ações de Jorge Horácio. Desta forma, Messi foi considerado coautor dos crimes citados. Por ser considerado o principal responsável pelos delitos, o pai do atleta pode pegar 18 anos de prisão.

Leia também:  União volta a jogar sábado pelo Sub-19

“Não se deve considerar impune quem usa terceiros para situações fraudulentas”, afirmou a procuradoria.

Jorge Horacio é acusado de ter iniciado o “mecanismo fraudulento” quando o jogador ainda era menor de idade. Após 2005, quando Messi completou 18 anos, o pai “seguiu tomando todas as decisões relativas à exploração econômica” dos direitos de imagem do atacante do Barcelona.

Em depoimento, Jorge Horácio assumiu toda a responsabilidade pela gestão tributária dos rendimentos do filho – tese aceita pelo Fisco espanhol, que declarou que a participação do atleta foi “meramente formal”. A procuradoria geral, porém, não aceitou as alegações e recusou o pedido para que Messi fosse retirado do processo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.