Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Mato Grosso teve 23.168 casos de dengue registrados entre 1º de janeiro e 16 de outubro deste ano, segundo o Boletim Epidemiológico da dengue, chikungunya e zika emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Em comparação com 2014, quando foram notificados 10.312 casos no mesmo período, houve um aumento de 124,69%.

De acordo o boletim, 75 cidades apresentaram alta incidência de dengue, com números superiores a 300 casos por 100 mil habitantes. No estado, a incidência registrada é de 719 casos por 100 mil habitantes. Sinop continua como o município com maior número de notificações, com 3.242 casos. Várzea Grande e Rondonópolis também registraram números expressivos, com 1.938 e 1.869 casos, respectivamente. Na Capital, 2.413 casos já foram notificados.

Leia também:  Veículos de carga terão restrição de tráfego nas rodovias federais no feriado

Seis óbitos por dengue foram confirmados nos municípios de Cuiabá, Matupá, Sapezal, Sorriso, Rondonópolis e Juína. Cinco mortes ainda seguem em processo de investigação, aguardando o resultado do laboratório.

Tendo em vista a situação de risco para epidemia, a SES recomenda às secretarias municipais de Saúde que mantenham a rede atenta para o diagnóstico precoce da doença e o manejo correto para que os óbitos sejam evitados. Além disso, estão sendo realizadas atividades de vistoria, orientação e prevenção, principalmente nos municípios silenciosos e de maior incidência.

Foram encaminhadas para análise ao MT Laboratório 386 amostras como diagnóstico diferencial para chikungunya. Destas, 103 tiveram resultado não reagente ou não detectável, 189 amostras encontram-se ainda em análise, 94 exames não foram realizados e nove aguardam triagem. Até o momento não foi confirmado nenhum caso de transmissão da doença em Mato Grosso. No entanto, dois casos “importados” de febre chikungunya foram notificados.

Leia também:  Em agosto, Barra do Garças realiza a 8ª Caravana da Transformação

O zika vírus (ZIKAV) é um arbovírus do gênero flavivírus, que apresenta sintomas parecidos com o da dengue e da febre chikungunya, como: dores nas articulações, dor de cabeça, febre, náuseas, diarreia e mal-estar. A fotofobia é uma das características diferenciais da doença, assim como manchas no corpo, principalmente nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, e conjuntivite sem secreção e coceira.
Ao todo 277 amostras biológicas foram encaminhadas para exames ao MT Laboratório para diagnóstico diferencial, destas 126 encontram-se em análise, 91 exames não realizados ou descartadas por ausência de critérios clínicos epidemiológicos ou por estarem fora do prazo de coleta ideal, 35 aguardando triagem e 25 exames foram liberados sendo cinco positivos, dois de Rondonópolis, um de Tesouro, um de Cuiabá e um de Várzea Grande.

Leia também:  Sefaz realiza segundo leilão online de 2017

Cuidados

A eliminação dos criadouros ainda é a principal ação no combate às doenças. A principal medida de prevenção é evitar água parada em qualquer tipo de recipiente. Além disso, é preciso manter os quintais e terrenos sempre limpos e as caixas d’águas devidamente fechadas. Recomenda-se ao paciente que apresentar sinais e sintomas das doenças procurar imediatamente os serviços de saúde e evitar o uso medicamentos sem prescrição médica.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.