Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Uma mancha de cerca de 4 km causada pelo derrame de óleo diesel do navio cargueiro Haidar, de bandeira libanesa, que tombou e afundou no cais do porto de Vila do Conde, em Barcarena, nordeste do Pará, interditou a praia do Conde por tempo indeterminado.A medida foi tomada por autoridades ambientais depois que constataram óleo na beira da praia.O cargueiro Haidar estava carregado com 5.000 cabeças de gado, que seriam levadas para o abate na Venezuela, quando começou a tombar e, cerca de duas horas depois, naufragou matando milhares de bois.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Algumas embarcações ajudaram no resgate de animais que saíram pela lateral do navio, mas a maioria morreu afogada dentro do compartimento de carga do navio. A carga pertencia à empresa Minerva Foods.

Leia também:  Prevenção ao bullying também deve ocorrer em consultórios pediátricos, diz SBP

Horas depois do acidente, animais que morreram afogados começaram a boiar no mar e foram trazidos pela maré para a praia. Moradores de Barcarena aproveitaram para retalhar os animais mortos na beira-mar e dividir a carne para consumo.

O estado montou um centro de crise para apreender as carnes furtadas e recolher os animais mortos para serem incinerados.

Segundo a Companhia Docas do Pará, responsável pela administração do porto de Vila do Conde, o navio estava carregado com 700 toneladas de óleo diesel e, logo depois do acidente, o combustível que vazou começou a aparecer no mar.

O governo do Pará informou que equipes técnicas conseguiram conter o vazamento no navio na tarde desta quarta-feira. Cordões de isolamento com boias estão sendo usados emergencialmente para conter a mancha no mar.

Leia também:  Policial tenta abastecer sem pagar e agride frentista após ser cobrado

Segundo o Estado, a empresa responsável pela embarcação já contratou especialistas para elaborar um plano de ação para diminuir os impactos ambientais causados pelo acidente.

As empresas vão apresentar o plano aos órgãos ambientais informando como será feito o trabalho de contenção da mancha, a retirada dos corpos dos animais que estão dentro do navio e a destinação de outros resíduos.

A Companhia Docas do Pará informou a estimativa é de que os trabalhos durem cerca de 40 dias e os custos chegam a R$ 200 mil por dia.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.