Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Delegacia Regional de Polícia de Alta Floresta, em ação conjunta com o Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT), deflagrou a operação policial denominada “Documento Limpo” nesta sexta-feira (02). Foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências de servidores e ex-servidores da autarquia, no Despachante Leal, na Autoescola Minas Gerais, na residência do já descredenciado Despachante São Cristóvão, nas Agências Municipais de Trânsito das cidades de Apiacás, Nova Monte Verde e Carlinda, além da residência do ex-chefe da Ciretran de Alta Floresta.

Dados previamente obtidos pela Coordenadoria de Fiscalização de Credenciados (CFisc) e Unidade Setorial de Controle Interno (Uniseci), aliados às informações produzidas pelo setor de Inteligência do Detran-MT, subsidiaram as ações investigativas desenvolvidas pelas equipes lideradas pelos delegados de Polícia Rodrigo Bastos da Silva e Ana Paula Reveles Carvalho, titulares das Delegacias Regional e de Alta Floresta. Participaram da ação delegados, escrivães e investigadores de polícia das unidades policiais de Apiacás, Carlinda, Nova Monte Verde e Alta Floresta, bem como de servidores do Detran-MT da Uniseci e CFisc.

Leia também:  Onça-pintada resgatada de fazenda em MT é levada para associação em SP

Durante as buscas foram encontrados inúmeros processos e documentos irregulares e com fortes indícios de ilegalidade, a maior parte deles por suspeita de falsificação, os quais serão submetidos a exame pericial e passarão por detalhada auditoria do Detran-MT. Como consequência, as Agências Municipais de Trânsito de Carlinda e Nova Monte Verde foram fechadas, o que também ocorreu recentemente com a unidade de Apiacás.

O chefe da Agência Municipal de Trânsito de Nova Monte Verde, J.P.O.F., foi preso em flagrante delito por posse irregular de arma de fogo, crime previsto no Art. 12 da Lei nº 10.826/03. Durante as buscas na residência dele, os policiais encontraram uma espingarda sem o devido registro, tendo o delegado de polícia responsável por sua prisão arbitrado fiança no valor de R$ 3.152,00. Todos os suspeitos foram conduzidos às Delegacias de Polícia dos respectivos municípios para serem interrogados.

Leia também:  Após quase 40 anos, escola estadual de Poconé terá quadra poliesportiva

“O combate à corrupção é prioridade não apenas do Detran de Mato Grosso, mas de todos os órgãos do Estado. Onde houver ilegalidade, haverá ação policial adequada e pontual, como ocorreu na região de Alta Floresta. A Polícia Judiciária Civil é mais do que um grande aliado, o que tem gerado ações repressivas de sucesso”, disse o presidente do Detran-MT, Rogers Elizandro Jarbas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.