Bancarios em assembleia para indicativo de greve - Foto : Messias Filho / AGORA MT
Bancários em assembléia para indicativo de greve – Foto : Messias Filho / AGORA MT

Os bancários decidiram entrar em greve a partir de terça-feira (6), por tempo indeterminado após recusar a proposta feita pela Federação Nacional dos Bancos. O Sindicato dos Bancários de Rondonópolis e Região Sul de Mato Grosso informou que a adesão à greve nacional foi aprovada por unanimidade durante assembleia realizada com a categoria na noite desta quinta-feira (1º).

A categoria pede o reajuste salarial de 16%, com piso de R$ 3,2 mil, Participação de Lucros e Resultados (PLR) de três salários mais R$ 7.246,82, melhores condições de trabalho, além de outros benefícios. Em contrapartida, a Fenaban apresentou uma proposta a categoria que prevê reajuste de 5,5%, piso de R$ 1.321,26 para portaria, R$ 1,895, 25 para escritório e R$ 2.560, 23 para caixa e tesouraria e PLR de 90% do salário mais R$ 1.939,08 e parcela adicional.

Leia também:  Violência contra sujeitos LGBT será tema de debate durante audiência pública em Rondonópolis

 “A proposta foi totalmente abolida pela categoria que entende que tem que haver um ganho perto da inflação e um pouco a mais que o ganho real. Por isso, ela não abre mão que a Fenaban apresente uma proposta melhor e vai para esse embate buscando o reajuste melhor para a categoria, ” disse o presidente do Sindicato dos Bancários de Rondonópolis e Região Sul de Mato Grosso, Luiz Carlos Morais Delgado.

Ainda conforme o presidente, esta deve ser a greve mais longa da categoria. “Temos uma previsão aí, pelos estudos que a gente já tem, que essa é a greve mais longa, devido à crise econômica que o país vem enfrentando e que os banqueiros podem estar usando isso daí para estar negando o reajuste dos bancários, apesar que nós sabemos que os bancos com essa crise financeira eles estão lucrando muito mais”, avisou o Luiz Carlos.

Leia também:  Cumprimento da Lei | Deputado Sebastião Rezende consegue isenção de ICMS para hospitais filantrópicos

“Além do reajuste, estamos pedindo mais contratação, melhor atendimento, cuidado da saúde do bancário, são várias pautas. Também tem as cláusulas sociais é a quantidade de bancário no atendimento. Aumentar o número de funcionários, ” disse o secretário de Formação Sindical e Saúde: Almir Araújo.

Com a paralisação, todos os atendimentos ao público serão suspensos, mantendo apenas os autoatendimentos. “Todas as agencias vão fechar, funcionando apenas os 30% obedecido por lei para manutenção dos caixas eletrônicos, os autoatendimentos, mas não haverá atendimento interno ao público”, disse o presidente.

Em Rondonópolis, 14 agências bancárias devem ser ‘fechadas’ com a greve. Quanto ao número de bancários que devem paralisar as atividades são cerca de 840.

Leia também:  Com 13 votos, Cláudio da Farmácia é eleito novo o presidente da câmara
Luiz Carlos Morais Delgado presidente do sindicato dos bancarios - Foto : Messias Filho / AGORA MT
Bancários aprovam adesão a greve – Foto : Messias Filho / AGORA MT

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.