Richard Gama - Foto: Junior Martins
Richard Gama – Foto: Junior Martins

Richard Gama foi selecionado para integrar a equipe do Instituto do Tênis, a partir de 15 de novembro, em São Paulo. Aos 12 anos, o menino vai morar sozinho e treinar no Centro de Treinamento de Excelência da instituição, que investe em jovens talentos para formar tenistas capazes de ocupar o posto de número 1 do mundo. Antes da mudança, Richard se despede na disputa do Circuito Mato-grossense de Tênis, na categoria 2ª Classe Adulto, que ocorre de 26 de outubro a 01 de novembro, no Clube Monte Líbano, em Cuiabá.

O Instituto do Tênis têm como objetivo desenvolver o tênis no Brasil e recolocar os atletas brasileiros no topo do ranking mundial. A principal meta da entidade é de posicionar um tenista no posto de nº 1 nos próximos 18 anos. E para conquistar esse propósito, a instituição acredita na disseminação do esporte e investe em jovens de 10 a 19 anos, com o desenvolvimento de um programa diferenciado que envolve profissionais especializados e ampla rotina de treinos.

Leia também:  José Aldo terá a revanche pelo cinturão contra o atual campeão Max Holloway

“Vamos atingir a meta até 2033. Estamos no início dessa trajetória, que é criar o ambiente. Pois no final do dia o atleta é fruto daquele ambiente que está exposto. O ambiente de treinamento precisa ser bom e exigente o suficiente. Para que quando vá jogar no exterior, não ache que os clubes de lá são o bicho papão. Se achar isso, já terá perdido antes de entrar em quadra. Então um dos desafios é criar um ambiente de alta pressão. Para que o atleta crie uma casca grossa antes de ir competir”, disse Cristiano Borrelli, diretor do Instituto.

De acordo com o pai do Richard, Emerson Gonçalves, no instituto os tenistas são avaliados diariamente desde a parte técnica, física, passando pela nutricional, até a psicológica e comportamental. Com metas individuais para ajudar a elevar o desempenho ao limite máximo. Segundo ele, aliado a esse modelo, um dos pilares do instituto é não deixar o atleta parar de estudar. E para isso é disponibilizado uma plataforma de educação de alto nível.

Leia também:  MT fatura ouro e prata na luta olímpica dos Jogos Escolares

“A estrutura da instituição conta com uma pedagoga. Ela será responsável por alimentar a parte educacional e cultural dele. Para que se prepare para quando não for mais um tenista profissional. E tenha condições de entrar no mercado de trabalho. Claro que a família sentirá muita saudade, mas ele vai estar em boas mãos. Essa entidade vai colaborar para a construção de um futuro brilhante dentro ou fora de quadra”, pondera Emerson Gonçalves.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.