Foto: Assessoria
Foto: Assessoria

Pio da Silva, candidato a presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Mato Grosso (OAB-MT) afirmou que enviará ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) processos de desagravo contra aqueles que violarem as prerrogativas dos advogados e advogadas, demanda considerada um dos eixos do Estado Democrático de Direito.

As prerrogativas dos advogados estão previstas pela lei n° 8.906/94, também conhecida como “Estatuto da OAB”. Elas garantem ao profissional advogado o direito de exercer a defesa plena de seus clientes, com independência e autonomia, sem temor do magistrado, do representante do Ministério Público ou de qualquer autoridade que possa tentar constrangê-lo.

Para Pio da Silva, a garantia das prerrogativas confunde-se com a própria defesa do contraditório, a proteção do direito do cidadão, e irá combater suas violações, independente de suas origens.

Leia também:  MPE requer condenação de servidores públicos por improbidade administrativa

“Vamos instalar o disque-denúncia anônima da OAB-MT, com plantão 24 horas, garantindo o anonimato do denunciante. Além disso, criaremos um cadastro de violadores de prerrogativas, encaminhando automaticamente os processos de desagravo aos órgãos correcionais competentes, incluindo o CNJ”, frisou.

O candidato a presidente da OAB-MT levanta uma bandeira que é objeto de discussão no próprio Congresso Nacional. Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 7508/2014, que tipifica como crime a violação das prerrogativas dos advogados e advogadas. Arquivada em janeiro de 2015, no entanto, ela foi devolvida ao relator, o deputado federal Décio Lima (PT/SC) e aguarda novo texto.

Pio da Silva pondera que graves violações de prerrogativas podem resultar em ações por dano moral coletivo e afirma que o Tribunal de Defesa das Prerrogativas (TDP) irá fiscalizar advogados que encontram-se em situação irregular quanto a seu registro profissional.

Leia também:  Governo federal estende prazo de inscrição do Cadastro Ambiental Rural

“No caso de grave violação, serão ajuizadas as ações cabíveis, em especial ação civil pública por dano moral coletivo. Além disso, o TDP fiscalizará se os advogados estão devidamente registrados na CTPS e que seja respeitado o valor do piso salarial”, Completa Pio da Silva.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.